Período de vencimento

Como a Squadra aplicou a sua tese sell-side em IRBR desde 2018

2020.10.05 14:35 wonderful_teacher Como a Squadra aplicou a sua tese sell-side em IRBR desde 2018

Como a Squadra aplicou a sua tese sell-side em IRBR desde 2018
Oi Pessoal, eu estou estudando os dados de alguns Fundos de Investimento, e resolvi pegar o caso da Squadra e sua tese vendida para IRBR, que vem desde 2018, segundo suas próprias cartas. A ideia é depois criar um painel dinâmico para poder avaliar a estratégia dos Fundos de Investimento, igual eu estou fazendo para alguns indicadores financeiros (que eu estou publicando aqui).
Um dos desafios que eu já percebi é que as informações que os fundos enviam pra CVM possuem um período de sigilo, então só dá pra estudar as posições com um atraso em geral de três meses. Mas considerando que algumas teses demoram até um ano pra se concretizar, esta valendo como exercício de estudo.
Outro desafio é a inconsistência de dados. Tem fundo que não informa dado não obrigatório, ou informado desconfigurado (talvez de propósito?). Por exemplo, o Fundo SQUADRA MASTER LONG-BIASED FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇŐES divulgou que possui 251.900 opções IRBRL392. Em janeiro/20, o valor essa posição era de R$ 2.133.317,71. Mas em março/20, o valor total da posição registrado é de R$0,30. Eu acho que mesmo virando pó, o valor mínimo seria R$0,01 por opção.
Posição em IRBRL392 (Valor da Posição final e Quantidade)
Por fim, os dados da CVM se limitam à quantidade e valor de mercado da posição final em opções. Não é possível ver o custo ou venda dentro de cada mês. Este é uma primeiro esboço, se alguém tiver sugestões põe nos comentários.

Posição em Ações Ordinárias


https://preview.redd.it/l08i5cavk9r51.png?width=972&format=png&auto=webp&s=5b18e6f9f0f626b83d4a515c7cab41700aa86237
O Fundo começou o período estudado com 12.813 ações em maio/18, e fez trade durante o período de valorização do ativo. No entanto, desde 2019, começou um grande movimento para adquirir ações, para se ter uma ideia, no fim do periodo da analise, maio/20, ela detinha mas de 5,5 milhoes de ações, talvez para uma estratégia com opções, visto que ela tem lançado muitas CALLs, mas em menor proporção.

Obrigações por ações e outros TVM recebidos em empréstimo

https://preview.redd.it/9q1zaiu7m9r51.png?width=972&format=png&auto=webp&s=1b6e7cd4b4cb42e6242211801e1f45251abb200e
Eu acho que aqui se contabiliza os alugueis de ações (não sei, alguém pode me confirmar isso). ela começou com 55.000 em maio/18. Essas grandes quedas na linha cinza marcam a diminuição da posição no ativo. Se ela operaou vendida todo esse período, ela foi perdendo dinheiro até 2020, porque IRBR3 só subiu.
A virada foi em fevereiro/2020, quando ela publicou aquele relatório sell-side da empresa. Em fev/20, ela tinha 32 mil ações alugadas, que saltou para 7,6 milhões em março/2020. Novamente, essa posição tem que fazer sentido olhando como ela comprou/vendeu as opções, pra mim não faz sentido ela operar vendida em IRBR3 depois de fevereiro/2020, porque a ação já tinha derretido.
Não fica claro pra mim, olhando os valores informados, se o fundo alugou as ações para deixar de garantia, ou se operou vendido. Se fosse assim, o valor de mercado deveria ser negativo, mas não é.

Posição em opções

No gráfico abaixo eu destaquei apenas as opções de IRBR3 divulgadas pelo Fundo. Aqui eu não sei até que ponto aqueles erros nos dados impactam no valor da posição, mas alguns meses podem estar subestimados, visto que os erros acontecem sempre pra baixo (aparantemente).
Posições lançadas/titulares em opções de compra/venda de IRBR3
Desde abril/19, o Fundo vem aumentando sua posição lançada em opções de compra. Faz sentido se você considerar que ela tem adquirido a ação e feito uma estratégia de venda coberta. Mas se a tese era de queda no preço, essa estratégia não seria a mais indicada para comprar delta/gama.
Observando as opções de venda, ela realmente aumentou sua posição vendida consideralmente em setembro/19, quando fez a sua maior posição lançada de puts também (barra azul). No detalhe, ela vendeu PUTs com strike maiores do que as PUTs que ela comprou, para a mesa data de vencimento, o que seria uma estratégia PUT DEBIT SPREAD, ou seja, ela ganha a diferença dos strikes, limitando o seu risco. Mas só em setembro/19 que ela fez isso, depois da pra ver que a posição titular dela é muito maior que a lançada.
A linha cinza escuro no segundo gráfico de barras dá pra ver o ganho não-linear que ela teve em fevereiro/20, ela mostra o valor de mercado da posição dela em PUTs.
Eu acho que somando tudo, ela fez o controle de risco usando o próprio ativo (comprando ou alugando), lançando CALLs para gerar uma renda e apostando nas PUTs, mas que no final, ela ganhou no spread. Novamente, eu não entendi bem o que ela fez com as ações alugadas, pelo tamanho da operação, o resultado do delta dela pode ter sido maior do que qualquer estratégia com opções.

Cotação histórica de IRBR3 para referência

https://preview.redd.it/ummpag2cs9r51.png?width=1113&format=png&auto=webp&s=a02a87f0ba39e5ad8e9bd8958684b8d3ac733908
Painel dinâmico: https://public.tableau.com/views/squadra_16019013156490/Painel1?:language=pt&:display_count=y&publish=yes&:toolbar=n&:origin=viz_share_link

EDIT: Pura ignorância mesmo, escrevi sell-side ao invés de short.
submitted by wonderful_teacher to investimentos [link] [comments]


2020.09.13 00:57 Pvfreitas Debenture Eneva?

Eae pessoal. Recebi o email abaixo da XP a respeito da oferta publica de debenture da Eneva. Me pareceu uma taxa interessante pra uma deb AAA livre de IR, mas nao conheco a empresa a fundo.
Qual a opiniao de voces sobre a Eneva?
Segue detalhes da emissao:

Emissora / Securitizadora: ENEVA S.A.
📷
Emissão e Série: 6ª emissão da Emissora, em duas séries
📷
Valor Total da Oferta: R$835.000.000,00 (oitocentos e trinta e cinco milhões de reais), sem considerar a colocação das debêntures adicionais
📷
Aplicação Mínima: R$ 1.000,00 (mil reais)
📷
Quantidade de CRA: 835.000.000,00 (oitocentos e trinta e cinco milhões de reais), sem considerar a colocação das debêntures adicionais
📷
Valor Nominal Unitário: R$ 1.000,00 (mil reais), na Data de Emissão
📷
Data de Vencimento: 1ªSérie: 15 de setembro de 2030 2ªSérie: 15 de setembro de 2035
📷
Atualização Monetária: Sim, pela variação acumulada do IPCA
📷
Remuneração Teto (Definida em Procedimento de Bookbuilding): 1ªSérie: IPCA + 3,90% ou NTNB 30 + 1,05% 2ªSérie: IPCA + 4,35% ou NTNB 35 + 1,10%
📷
Pagamento Juros: Semestral em ambas as séries, assim como descrito na página 62 do Prospecto Preliminar da oferta.
📷
Pagamento Amortização: 1ªSérie: As Debêntures da Primeira Série serão amortizadas em 3 (três) parcelas anuais e consecutivas sendo a primeira parcela devida em 15 de setembro de 2028 e a última na Data de Vencimento da Primeira Série. 2ªSérie: As Debêntures da Segunda Série serão amortizadas em 3 (três) parcelas anuais e consecutivas sendo a primeira parcela devida em 15 de setembro de 2033 e a última na Data de Vencimento da Segunda Série
📷
Montante Mínimo: As Debêntures da Primeira Série contarão com o montante mínimo de 100.000 (cem mil) Debêntures.
Debêntures da Segunda Série contaram com o montante máximo de 735.000 (setecentas e trinta e cinco mil) Debêntures
📷
Período de Reserva: Entre 1º de setembro de 2020, inclusive, e 15 de setembro de 2020, inclusive
📷
Procedimento de Bookbuilding: 16 de setembro de 2020
📷
Liquidação Financeira: 29 de setembro de 2020
📷
Coordenador Líder: Banco Itaú BBA S.A.
📷
Rating preliminar: “brAAA” pela Standard & Poor's Ratings do Brasil Ltda
📷
Agente Fiduciário: Pentágono S.A. Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários, instituição financeira, com endereço na cidade do Rio de Janeiro, Estado do Rio de Janeiro, na Avenida das Américas, nº 4.200, Bloco 8, Ala B, Salas 302, 303 e 304, Barra da Tijuca, CEP 22640-102, inscrita no CNPJ/ME sob o nº 17.343.682/0001-38 (www.pentagonotrustee.com.br), representada pela Sra. Marcelle Santoro, pelo Sr. Marco Aurélio Ferreira e pela Sra. Karolina Vangelotti, telefone (21) 3385-4565, correio eletrônico: [[email protected]](mailto:[email protected])
📷
Devedora: Eneva S.A., sociedade por ações, registrada perante a CVM na categoria “A”, sob o código 21237, com sede na Praia de Botafogo, nº 501, Bloco I, 4º e 6º andares,v Botafogo, na Cidade do Rio de Janeiro, Estado do Rio de Janeiro, inscrita no CNPJ/ME sob o nº 04.423.567/0001-21 e na JUCERJA sob o Número de Identificação do Registro de Empresas – NIRE 33.300.284.028
submitted by Pvfreitas to investimentos [link] [comments]


2020.08.26 20:21 ElaborBR Impactos trabalhistas no enfrentamento do COVID-19

Desde o domingo, dia 22 de março de 2020, em que o Governo Federal assinou a Medida Provisória 927/20, inúmeras dúvidas inundaram a segunda-feira dos escritórios de advocacia, empresas de contabilidade, departamento de Recursos Humanos, Departamento Pessoal, firmas de auditoria e em especial, a dos trabalhadores.

Algumas dúvidas versavam sobre questões legais, mas seguramente a maior parte dos questionamentos era no sentido de: como implantar as medidas trazidas pela MP de maneira mais segura tanto para a empresa como para os colaboradores?

Como meu sistema está ou não preparado? Como eu poderia rodar em grande escala as férias dos colaboradores sem o pagamento do terço constitucional, já que posso pagar até o dia 20/12/20? E lá adiante, o sistema de folha de pagamento conseguirá vincular o pagamento do terço às férias corretamente? E se tiver aumento de salário? Pago o terço constitucional com o salário novo ou com o salário da época da concessão das férias?

Um cliente me ligou hoje pela manhã e perguntou: será que o Protheus já está preparado para calcular as férias de acordo com a MP? Respondi: fique tranquilo… de domingo à noite até hoje, quarta-feira pela manhã … Nem Protheus, nem qualquer outro sistema. Nós dois rimos… de nervoso… rs.

Depois de dois dias de leituras, pesquisas e resposta às consultas de nossos clientes, resolvemos trazer algumas das questões debatidas.

Não temos a pretensão de dirimir todos os aspectos, impactos e desafios que as empresas e trabalhadores enfrentarão pela frente. Mas é um apoio, um suporte a quem terá que ser um instrumento da gestão de mudança sem perder de vista o atendimento ao compliance e empatia com a posição e as vidas dos colaboradores dentro e fora da Empresa.

ENTENDENDO OS IMPACTOS TRABALHISTAS NO ENFRENTAMENTO DO CORONAVIRUS – COVID19 MEDIDA PROVISÓRIA 927/2020

1) Quais são as principais medidas trabalhistas trazidas pela Medida Provisória 927/2020 no enfrentamento do coronavírus (COVID-19) ?

O artigo 3º. da MP estabelece que poderão ser adotadas pelos empregadores, dentre outras, as seguintes medidas:

I – o teletrabalho;

II – a antecipação de férias individuais;

III – a concessão de férias coletivas;

IV – o aproveitamento e a antecipação de feriados;

V – o banco de horas;

VI – a suspensão de exigências administrativas em segurança e saúde no trabalho;

VII – o direcionamento do trabalhador para qualificação profissional (REVOGADO PELA MEDIDA PROVISÓRIA 928/20); e

VIII – o diferimento do recolhimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço – FGTS.

Importante destacar o artigo 2º. da MP 927/20:

“Durante o estado de calamidade pública a que se refere o art. 1º, o empregado e o empregador poderão celebrar acordo individual escrito, a fim de garantir a permanência do vínculo empregatício, que terá preponderância sobre os demais instrumentos normativos, legais e negociais, respeitados os limites estabelecidos na Constituição”

2) Neste sentido, existe a possibilidade de uma discussão jurídica nos tribunais sobre a tal preponderância do acordo individual sobre as leis, decretos, instruções normativas, portarias, etc.?

Em um primeiro momento, entendemos que dependerá muito da forma, do conteúdo e da essência dos acordos que serão firmados com o trabalhador, ainda que o objetivo principal seja nobre, que é o da preservação do emprego. Portanto nossa resposta é que SIM, poderá haver a chamada judicialização de alguma das medidas trazidas pela MP.

Uma forma de minimizar a exposição é obter o maior número de elementos e subsídios que auxiliem na tomada de decisão. O envolvimento do consultor trabalhista e principalmente do vosso assessor jurídico são fundamentais neste processo.

TELETRABALHO (HOME OFFICE OU TRABALHO REMOTO)

3) Como devemos gerir o regime de home office?

O assunto teletrabalho é bem amplo, mas vamos focar nas questões da MP:

O regime de trabalho presencial poderá ser alterado para o de teletrabalho independentemente de acordos individuais ou coletivos, e deverá ser será notificado ao empregado com antecedência de, no mínimo, 48 horas, por escrito ou por meio eletrônico.
As disposições relativas à responsabilidade pela aquisição, pela manutenção ou pelo fornecimento dos equipamentos tecnológicos e da infraestrutura necessária e adequada à prestação do teletrabalho e ao reembolso de despesas arcadas pelo empregado serão previstas em contrato escrito, firmado previamente ou no prazo de trinta dias, contado da data da mudança do regime de trabalho.
Os estagiários e aprendizes não ficaram de fora e também estão contemplados neste regime.
4) Podemos suspender a concessão do Vale Transporte e do Vale Refeição aos empregados que estão em home office?

O vale transporte poderá ser suprimido, tendo em vista que a finalidade do transporte (residência x trabalho x residência) não ser aplicável ao trabalhador que está no regime do teletrabalho.
O vale refeição deve ser mantido, pois o trabalhador está trabalhando e mesmo que remotamente, ele precisa se alimentar. Deverá ainda ser observado os intervalos para descanso e alimentação. Ao indagar se devemos continuar fornecendo o vale refeição, muitos empregadores demonstram ter uma ideia distorcida do próprio home office.
5) As empresas que forneciam aos empregados a alimentação na modalidade de restaurante próprio ou convênio, precisam fornecer o benefício ao trabalhador colocado no regime de teletrabalho?

Nada muda, o empregado continua tendo que se alimentar, por isso é necessário que a empresa conceda a alimentação, devendo avaliar internamente a modalidade e procedimento que será adotado.

6) E em relação a parte de Saúde e Segurança do Trabalho?

Como o momento é extremamente delicado, as empresas provavelmente não tiveram o tempo necessário para tomar todas as medidas necessárias, em especial ao mobiliário: mesa, cadeira, fones (se necessários), por exemplo.

Sabemos que existem empregados trabalhando sentados na cama, onde toda a questão ergonômica fica prejudicada. A longo prazo esta posição incorreta poderá se tornar uma doença profissional. Por isso é importante que o empregador olhe com cuidado para estes aspectos.

7) As empresas são responsáveis pelo fornecimento da infraestrutura e equipamentos necessários ao desempenho das tarefas em home office?

Sim. Inclusive deverá constar no contrato escrito como se dará o fornecimento destes equipamentos e materiais, em especial ao reembolso das despesas com a utilização da internet, por exemplo.

Para fins de benchmarking, alguns dos nossos clientes adotaram o modelo de reembolso mensal das despesas, cujo valor tem flutuado entre R$ 50,00 a R$70,00.

8) O reembolso de despesas deverá constar em folha de pagamento?

Sim, conforme prevê o artigo 225 do Decreto 3.048/99, a empresa é também obrigada a:

I – preparar folha de pagamento da remuneração paga, devida ou creditada a todos os segurados a seu serviço, devendo manter, em cada estabelecimento, uma via da respectiva folha e recibos de pagamentos;

9º A folha de pagamento de que trata o inciso I do caput, elaborada mensalmente, de forma coletiva por estabelecimento da empresa, por obra de construção civil e por tomador de serviços, com a correspondente totalização, deverá:

IV – destacar as parcelas integrantes e não integrantes da remuneração e os descontos legais

Embora algumas empresas utilizem o modelo de relatório de reembolso de despesas (RD), conservadoramente nossa posição é a de que todo pagamento realizado ao colaborador deve transitar em folha de pagamento, o que não significa dizer que deverá ter todas as incidências (INSS, FGTS e IRRF). Importante as empresas se atentarem às previsões existentes no Decreto 3.048/99 e no Decreto 9.580/18.

9) Devo controlar o horário de trabalho ou adotar o cartão de ponto aos empregados colocados em regime de teletrabalho?

De acordo com a Lei 13.467/17, conhecida como lei da reforma trabalhista e que alterou a CLT em diversos pontos, os empregados em regime de teletrabalho não estão abrangidos pelo instituto do controle de jornada nem de horário. Então a resposta é não, não há a necessidade de controle de horário, embora algumas empresas estejam aplicando sim o controle, seja pela marcação via mobile ou via time sheet.

Neste momento, o maior desafio dos gestores é medir a produtividade de cada colaborador. Sabemos que nem todos têm o perfil para trabalhar em casa, mas não podemos esquecer que as crianças também estão fazendo “home office”!

Por isso é extremamente relevante que as empresas comuniquem aos seus trabalhadores como se dará o trabalho em home-office, as condutas, posturas, comunicação com clientes, pares e gestores, etc.

Sem dúvida quando tudo isso passar as empresas olharão o trabalho em home office de uma forma muito diferente. Uma nova forma de trabalho está nascendo.

FÉRIAS

As férias poderão ser concedidas por vontade do empregador, devendo o trabalhador ser comunicado com antecedência mínima de 48 horas, por escrito ou meio eletrônico.
Não poderão ser inferior a 5 dias.
Poderá ser antecipado períodos aquisitivos futuros, mediante acordo individual escrito.
Os colaboradores pertencentes ao grupo de risco devem ser priorizados na concessão ou antecipação das férias,
A concessão do abono pecuniário (venda de 1/3 das férias) ficará sujeita a concordância do empregador.
O empregador poderá pagar o 1/3 constitucional até a data de pagamento da gratificação natalina, também conhecido como 13º. Salário, ou seja, até 20/12/20.
O pagamento da remuneração das férias poderá ser realizado até o 5º. dia útil do mês subsequente ao início do gozo das férias.
Em caso de férias coletivas, não será necessário realizar a comunicação prévia ao Ministério da Economia e aos Sindicatos representativos.
Porém há a necessidade de comunicar aos empregados contemplados pelas férias coletivas com antecedência de, no mínimo, 48 horas.
Os RH´s devem se antecipar e verificar junto aos seus respectivos fornecedores de folha de pagamento as questões relacionadas ao cálculo e geração das férias nos moldes trazidos pela MP.

FERIADOS

As empresas poderão antecipar o gozo de feriados não religiosos federais, estaduais, distritais e municipais e deverão notificar, por escrito ou por meio eletrônico com antecedência de, no mínimo, 48 horas mediante indicação expressa dos feriados aproveitados.
Os feriados também poderão ser utilizados para compensação do saldo em banco de horas.
No caso dos feriados religiosos, este deverá ter concordância dos colaboradores mediante acordo individual e por escrito.
Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

BANCO DE HORAS

Ficam autorizadas a interrupção das atividades pelo empregador e a constituição de regime especial de compensação de jornada, por meio de banco de horas, em favor do empregador ou do empregado, estabelecido por meio de acordo coletivo ou individual formal, para a compensação no prazo de até 18 meses, contado da data de encerramento do estado de calamidade pública.
A compensação de tempo para recuperação do período interrompido poderá ser feita mediante prorrogação de jornada em até duas horas, que não poderá exceder 10 horas diárias.

SUSPENSÃO DE EXIGÊNCIAS ADMINISTRATIVAS EM SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO

Suspensão da obrigatoriedade da realização dos exames médicos ocupacionais, clínicos e complementares, exceção feita aos exames demissionais.
O exame demissional poderá ser dispensado caso o exame médico ocupacional mais recente tenha sido realizado há menos de cento e oitenta dias.
Os demais exames (admissionais, mudança de função, retorno de afastamento e periódicos) deverão ser realizados no prazo de 60 dias após o contado da data de encerramento do estado de calamidade pública.
Na hipótese de o médico coordenador do PCMSO considerar que a prorrogação representa risco para a saúde do empregado, o médico indicará ao empregador a necessidade de sua realização.
Ficam suspensos também os treinamentos previstos nas Normas Regulamentadoras (como o treinamento da CIPA por exemplo) e deverão ser realizados no prazo de 90 dias após o contado da data de encerramento do estado de calamidade pública.
Os treinamentos poderão ser realizados na modalidade de ensino a distância e caberá ao empregador observar os conteúdos práticos, de modo a garantir que as atividades sejam executadas com segurança.
Entendemos que alguns treinamentos nos parece de difícil aplicação pois como seria possível observar os conteúdos práticos de um treinamento para trabalho em altura ou espaço confinado ?

Os processos eleitorais da CIPA ficam suspensos até o encerramento do estado de calamidade pública, assim como os processos eleitorais em curso.

POSTERGAÇÃO DO DEPÓSITO DO FGTS

Fica suspensa a exigibilidade do recolhimento do FGTS pelos empregadores, referente às competências de março, abril e maio de 2020.
O recolhimento das competências de março, abril e maio de 2020 poderá ser realizado de forma parcelada, sem a incidência da atualização, da multa e dos encargos.
O pagamento das obrigações referentes às competências mencionadas será quitado em até seis parcelas mensais, com vencimento no sétimo dia de cada mês, a partir de julho de 2020.
Em caso de rescisão do contrato de trabalho, as Empresas deverão depositar os valores correspondentes ao empregado desligado e a eventual multa de 40% do FGTS, sem incidência da multa e dos encargos devidos.
Os prazos dos certificados de regularidade emitidos anteriormente à data de entrada em vigor desta Medida Provisória serão prorrogados por noventa dias.

OUTRAS DISPOSIÇÕES

Fica permitido aos estabelecimentos de saúde, mediante acordo individual escrito, mesmo para as atividades insalubres e para a jornada de doze horas de trabalho por trinta e seis horas de descanso:
prorrogar a jornada de trabalho;
adotar escalas de horas suplementares entre a décima terceira e a vigésima quarta hora do intervalo interjornada, sem que haja penalidade administrativa, garantido o repouso semanal remunerado.
As horas suplementares computadas em decorrência da adoção das medidas previstas acima poderão ser compensadas, no prazo de dezoito meses.
Os casos de contaminação pelo coronavírus (COVID-19) não serão considerados ocupacionais, exceto mediante comprovação do nexo causal.
Os acordos e as convenções coletivos vencidos ou vincendos, no prazo de cento e oitenta dias, contado da data de entrada em vigor da MP, poderão ser prorrogados, a critério do empregador, pelo prazo de noventa dias, após o termo final deste prazo.
Durante o período de cento e oitenta dias, contado da data de entrada em vigor da Medida Provisória, os Auditores Fiscais do Trabalho do Ministério da Economia atuarão de maneira orientadora, exceto quanto às seguintes irregularidades:
I – falta de registro de empregado, a partir de denúncias;

II – situações de grave e iminente risco, somente para as irregularidades imediatamente relacionadas à configuração da situação;

III – ocorrência de acidente de trabalho fatal apurado por meio de procedimento fiscal de análise de acidente, somente para as irregularidades imediatamente relacionadas às causas do acidente; e

IV – trabalho em condições análogas às de escravo ou trabalho infantil.

https://elaborbr.com/impactos-trabalhistas-no-enfrentamento-do-covid-19/
submitted by ElaborBR to u/ElaborBR [link] [comments]


2020.08.17 15:36 acto_isolado Acto isolado

Viva,
Ainda vou falar com 1 contabilista sobre este assunto mas ele está de férias durante esta semana. Assim, lembrei-me de passar por aqui e recolher inputs vossos que me ajudem a clarificar as ideias ou a ponderar coisas que ainda não me ocorreram.
Desde já o meu obrigado.

Situação: convidado como investigador para 1 universidade pt, contudo o processo atrasou-se. Como forma de me salvaguardarem o atraso, propuseram que fizesse um acto isolado para esse período (2 meses) para trabalhar e não ter perda de vencimento.

Dúvida: o que cobrar no acto isolado?
Ocorre-me o seguinte:
Vencimento liquido 2 meses
sub alimentação 2 meses
duodécimos 2 meses
Segurança social, incluir ou não? é um desconto a meu favor que "perco" caso não o cobre. Ou estou a ver mal?
IVA (23%) sobre isto tudo.

Relativamente a IRS, vi este link: https://www.doutorfinancas.pt/impostos/ato-isolado-saiba-o-que-e-quais-as-obrigacoes-e-como-emiti
" Quanto ao IRS, não é obrigatório fazer retenção na fonte para rendimentos inferiores a 10.000€. No entanto, isto não significa isenção de pagamento de imposto. Na entrega da declaração anual de rendimentos, deverá preencher o modelo 3. Fica ao seu critério qual o momento mais adequado para pagar o IRS, se no momento de emissão do ato isolado ou no final do ano. "
Isto apenas indica que vai contar como rendimentos para efeitos de IRS certo? Não sei se percebo bem esta parte.
Cumps.
submitted by acto_isolado to financaspessoaispt [link] [comments]


2020.07.23 10:09 diplohora Brunos Rezendo : meus estudos para o CACD - CARREIRA E SALÁRIOS

A hierarquia da carreira de diplomata é a seguinte (do cargo mais alto ao cargo inicial): Ministro de Primeira Classe (vulgo “Embaixador”)
Ministro de Segunda Classe (vulgo “Ministro”) Conselheiro
Primeiro-Secretário
Segundo-Secretário
Terceiro-Secretário
Os aprovados no CACD entram no posto de Terceiro-Secretário, e a promoção dá-se por tempo de profissão e por mérito. É de vinte anos de carreira o tempo mínimo previsto em lei para chegar ao cargo de Ministro de Primeira Classe (normalmente, demora mais, e nem todos os diplomatas que entram chegarão a embaixador algum dia). Não vou entrar nos mínimos detalhes das promoções e das atribuições específicas, pois acho desnecessário. Tratarei, brevemente, do funcionamento das promoções e das remoções. Minhas considerações seguintes estão baseadas no Decreto Presidencial nº 6.659, de 8 de setembro de 2008, na Portaria do MRE nº 222, de 8 de abril de 2010, e na Lei nº 11.440, de 29 de dezembro de 2006. Algumas das frases são do decreto, da portaria ou da lei supracitados, mas não vou pôr referências (só porque referência é chato de fazer mesmo). Há muitos dados pontuais e informações que você, como concursando, não precisa saber. Incluí apenas alguns dados para que os interessados possam ter acesso a essa informação de maneira mais fácil, já que tudo está bastante disperso na internet.
A promoção diz respeito à passagem do diplomata à classe imediatamente superior à que pertence, quando verificada a existência de vaga naquela classe. As promoções obedecem aos critérios:
I - promoção a Ministro de Primeira Classe, Ministro de Segunda Classe, Conselheiro e Primeiro-Secretário, por merecimento;
II - promoção a Segundo-Secretário, obedecida a antiguidade na classe e a ordem de classificação no CACD.
Poderá ser promovido somente o diplomata das classes de Ministro de Segunda Classe, Conselheiro, Primeiro-Secretário, Segundo-Secretário ou Terceiro-Secretário que contar pelo menos três anos de interstício de efetivo exercício na respectiva classe, sendo que o tempo de serviço prestado em posto no exterior do grupo C é computado em dobro, e o tempo de serviço prestado em posto do grupo D é computado em triplo para fins de promoção, a partir de um ano de efetivo exercício no posto5.
Para ser promovido a Primeiro-Secretário, o Segundo-Secretário, além de cumprir os requisitos acima, também precisa concluir o CAD (Curso de Aperfeiçoamento de Diplomatas) e ter, no mínimo, dois anos de serviços prestados no exterior. Para ser promovido a Conselheiro, o Primeiro- Secretário, além de cumprir os requisitos acima, precisa ter, no mínimo, dez anos de carreira (com um mínimo de cinco deles no exterior). Para ser promovido a Ministro de Segunda Classe, o Conselheiro, além de cumprir os requisitos acima, precisa concluir o CAE (Curso de Altos Estudos) e ter, no mínimo, quinze anos de carreira (com, no mínimo, sete anos e meio no exterior). Para ser promovido a Ministro de Primeira Classe, o Ministro de Segunda Classe, além de cumprir os requisitos acima, precisa ter, no mínimo, vinte anos de exercício (com, no mínimo, dez no exterior) e três anos de exercício, como titular, de funções de chefia equivalentes a nível igual ou superior a DAS-4 na Secretaria de Estado (Brasília) ou em posto no exterior (“DAS” é uma classificação dos funcionários públicos enquadrados em funções de assessoramento de direção superior – se não ficou claro para você, não se preocupe, isso não é tão importante agora; os cargos correspondentes a essas funções têm previsão em decreto presidencial).
Há dezenas de outras particularidades com relação às promoções, mas acho que citei o principal. Passemos, agora, ao regime de lotações (lotação corresponde à designação do posto de trabalho do diplomata no exterior, seja com origem na Secretaria de Estado e com destino a um posto no exterior, seja entre postos no exterior). Tratarei apenas da lotação de Terceiros-Secretários (semelhante à de Primeiros-Secretários e de Segundos-Secretários), que é o que lhes interessará nos anos iniciais da carreira.
Os Terceiros-Secretários deverão servir, efetivamente, durante três anos em cada posto e seis anos consecutivos no exterior. A permanência no exterior do Terceiro-Secretário poderá, no interesse do diplomata e atendida a conveniência do serviço, estender-se a dez anos consecutivos, desde que, nesse período, sirva em postos dos grupos C e D. A permanência inicial de Terceiro-Secretário nos postos dos grupos C e D não será superior a dois anos, podendo ser prorrogada por prazo de até dois anos, atendida a conveniência da administração e mediante expressa anuência do chefe do posto e do interessado. Após três anos de lotação em posto dos grupos A ou B, o Terceiro-Secretário poderá permanecer no posto por mais um ano, desde que atendida a conveniência da administração e mediante expressa anuência do chefe do posto e do interessado. Após permanência adicional de um ano em posto do grupo A, o Diplomata somente poderá ser removido para posto dos grupos C ou D ou para a Secretaria de Estado.
5 Os postos no exterior são classificados em categorias de A a D. Essa classificação leva em consideração vários aspectos, como qualidade de vida e segurança ao trabalho dos diplomatas e a suas famílias. Essa gradação, entretanto, não tem relação com a importância do país para a política externa brasileira. Apesar dos maiores riscos e da menor qualidade de vida, alguns dos postos C e D têm grande destaque nas prioridades de nossa política externa atual.
📷A primeira remoção para o exterior deve obedecer a alguns requisitos: para candidatar-se a postos das classes A ou B, o Terceiro-Secretário deve haver cumprido três anos de exercício efetivo na Secretaria de Estado (sendo esse prazo de dois anos para candidaturas a postos da classe C e de um ano para postos da classe D).
Nas remoções entre postos no exterior de Diplomatas das classes de Conselheiro, Primeiro-
-Secretário, Segundo-Secretário e Terceiro-Secretário, vale que:
I - os que estiverem servindo em posto do grupo A somente poderão ser removidos para posto dos grupos B, C ou D;
II - os que estiverem servindo em posto do grupo B somente poderão ser removidos para posto dos grupos A ou B;
III - os que estiverem servindo em posto dos grupos C ou D somente poderão ser removidos para posto do grupo A.
O diplomata das classes de Conselheiro, Primeiro-Secretário, Segundo-Secretário ou Terceiro-
-Secretário removido para a Secretaria de Estado poderá, na remoção seguinte, ser designado para missão permanente em posto de qualquer grupo, desde que sua estada na Secretaria de Estado tenha sido de um ano, se regressou de posto dos grupos C ou D, dois anos, se retornou de posto do grupo B, e quatro anos, se proveniente de posto do grupo A.
Por fim, adiciono apenas que, quando no Brasil, não há obrigatoriedade de residência em Brasília para os diplomatas. Há, também, possibilidade de lotação em um dos oito escritórios de representação do Itamaraty (Belo Horizonte, Curitiba, Florianópolis, Manaus, Porto Alegre, Rio de Janeiro, São Paulo e Recife), mas não sei como funcionam.
Acho que, com isso, esgoto os aspectos principais das promoções e das remoções da carreira. Como disse, há muitos outros detalhes, mas acho desnecessários agora. O pouco que apresentei acima já deve satisfazer a boa parte de seus questionamentos a respeito dessas temáticas. Qualquer dúvida, procure os documentos legais a que me referi anteriormente, pois eles explicam o funcionamento de cada um desses mecanismos em detalhes.
Com relação a férias, só há férias após seis meses da chegada ao posto, e as férias são iguais às de qualquer funcionário público: 30 dias corridos, que podem ser divididos em três períodos de dez dias ou em dois períodos de quinze dias. Tanto no exterior quanto na Secretaria de Estado, é a mesma coisa. Há uma observação com relação aos Terceiros-Secretários que ainda estudam no IRBr. Há, sim, férias anuais, mas o IRBr determina quando elas deverão ser tiradas, já que devem correspondem aos períodos de recesso das aulas do Curso de Formação (algumas semanas de janeiro e de julho).
Passemos aos salários. As remunerações de servidores públicos federais podem ser consultadas na página do Ministério do Planejamento (seç~o “Sítio do Servidor Público”), acessada pelo link a seguir: http://www.servidor.gov.bpublicacao/tabela_remuneracao/bol_remuneracao.htm. De acordo com a tabela de salários divulgada no “Caderno nº 57”, de 2011, as remunerações da carreira de diplomata são (valores brutos para cargos no Brasil):

Além do valor acima, o Terceiro-Secretário também recebe R$456,00 de auxílio alimentação (suponho que seja o mesmo valor para todos os diplomatas). Somado ao subsídio de R$12.962,12, o salário bruto é de R$13.418,12. Desse valor, há desconto de R$ 1.425,83 para seguridade social e de R$ 2.479,69 para imposto de renda retido na fonte, o que dá um salário líquido de R$ 9.512,60 (valores referentes a agosto de 2011). Vale lembrar que ainda há, anualmente, a restituição do imposto de renda.
Os descontos (Imposto de Renda e INSS) fazem que o salário líquido seja de, aproximadamente, 75% do valor acima. Esse salário, entretanto, é para quem trabalha no Brasil. No exterior, os salários são maiores e cotados em dólar, mas variam bastante, sendo reajustados de acordo com o poder de compra da moeda local, com o nível na hierarquia da carreira, com o estado civil do diplomata e com o número de dependentes. Diplomatas lotados no exterior podem receber, ainda, ajuda de custo para o aluguel. Para estimativa do salrio no exterior, veja a tabela “Remuneraç~o – Diplomatas no Exterior”, disponível no “REL UnB”.
Não sei muito bem como funcionam as gratificações, mas acho que, pelo que já ouvi falar, é mais ou menos o seguinte. O salário é composto do vencimento base mais duas gratificações (GDAD – Gratificações de Desempenho de Atividade Diplomática), como em todos os cargos públicos federais: GDAD institucional e GDAD individual. Enquanto estão no PROFA-I, os Terceiros- Secretários já recebem a GDAD individual, mas em seu valor mínimo. A primeira avaliação ocorre seis meses depois da posse, quando, aí sim, a GDAD pode aumentar até 100% do valor do vencimento base (mas isso varia em cada caso). Só para deixar claro, o valor de R$12.962,12 previsto no edital do CACD 2011 já inclui tanto o vencimento base quanto as gratificações.
Em Brasília, há, ainda, a possibilidade de morar em um apartamento funcional. Como era de se esperar, não há apartamentos suficientes para todos (considere, ainda, que, só de 2006 a 2010, entraram quase 550 novos diplomatas no MRE). Além disso, não são de graça (em alguns, o valor do condomínio é bem caro, inclusive). Nas turmas com mais de 100 vagas, a fila de espera foi de cerca de um ano a um ano e meio, segundo informações extraoficiais (se tiver filhos, você passa na frente dos demais na fila). Não sei como anda ultimamente.
submitted by diplohora to brasilCACD [link] [comments]


2020.07.05 05:31 tpacavalcante Debênture - Rentabilidade

Dúvida sobre o pagamento do juro de uma debênture. Soube que a periodicidade depende, mas que o pagamento cai na conta da corretora todo semestre ou ano. Fiquei preocupado com isso, porque se o juro é pago na conta da corretora, significa que o investimento no período seguinte só vai render sobre o montante investido? Suponha que invisto R$ 10 mil numa debênture com rentabilidade pré-fixada de 10%, sem IR, e pagamento de juros anual. Então, no final do primeiro ano, a rentabilidade é de R$ 1 mil, que cairá direto na minha conta da corretora. No segundo ano, a debênture vai render os 10% de novo sobre os mesmos R$ 10 mil ? Portanto, se o vencimento é em 5 anos, nessas condições a rentabilidade total seria R$ 5 mil, ao invés de 10% de 10 mil no tempo 1, 10% de 11 mil no tempo 2, 10% de R$ 12 mil e 100 no tempo 3 e assim por diante?
Assim sendo, seria melhor investir num CDB do que numa debênture em iguais condições de rentabilidade, vencimento e IR (desconsiderando o risco)?
Abs
submitted by tpacavalcante to investimentos [link] [comments]


2020.06.09 16:59 Little_Blackberry Investimento em um título de CDB que com certeza quebrará nos próximos anos com proteção do FGC?

Sou um investir do perfil conservador. Estou em busca do meu primeiro investimento, tenho um capital baixo (1k de início) e pretendo colocar em CDB. Dependendo do resultado que obterei pretendo aumentar para até 20k.
Na Easynvest tem um título que rende 13% ao ano, mas pesquisando a fundo descobri que o emissor é um canalha. Além de ter basileia pífia também tem taxa pré absurda.
Contudo, como o investimento é baixo e tem proteção do FGC, gostaria de saber de vocês: sendo vocês nessa situação valeria a pena arriscar? O máximo de perdas que haveria seria o vencimento do período de falência, certo?
submitted by Little_Blackberry to investimentos [link] [comments]


2020.04.24 18:19 HairlessButtcrack Cronologia do Covid-19

Boas malta fiz uma cronologia dos eventos nos estados unidos para entender como é que eles estiveram e quis comparar com a nossa. Decidi postar depois de ver este e este posts.
As conclusões não são boas, os media (americanos) dizem mal da inação do Trump mas nós tivemos uma sorte do Carvalho. Se em movimento de pessoas fossemos iguais a outros países os números eram muito piores, que se formos a olhar bem proporcionalmente em casos estamos ao nível dos estados unidos (mas com metade das mortes). A nossa primeira ação foi a meio de março.
(A minha cronologia certamente que não está completa e estou aberto a adicionar ou retirar coisas dadas fontes, Grande parte veio da Lusa/CM/JN outras coisas vieram da cronologia que fiz dos EUA)
Cronologia:
31 de dezembro de 2019 Organização Mundial de Saúde (OMS) revela haver mais de duas dezenas de casos de pneumonia de origem desconhecida detetados na cidade chinesa de Wuhan, província de Hubei.
1 de janeiro de 2020 É encerrado o mercado de peixe e carne de Wuhan que se pensa estar na origem da contaminação, dado que os doentes tinham todos ligação ao local.
4 de janeiro São 44 os casos de doentes com uma pneumonia de origem desconhecida reportados pelas autoridades chinesas.
5 de janeiro A OMS relatou uma "pneumonia de causa desconhecida" em Wuhan, China. A OMS desaconselhou restrições de viagem ou comércio na época.
8 de janeiro O CDC (EUA) emitiu o primeiro alerta público sobre o coronavírus.
9 de janeiro A OMS emitiu uma declaração nomeando a doença como um novo coronavírus em Wuhan. A China publicou os dados genéticos do novo coronavírus.
10 de janeiro É registado o primeiro morto, um homem de 61 anos, frequentador do mercado de Wuhan. Oficialmente há 41 pessoas infetadas na China. As autoridades chinesas identificam o agente causador das pneumonias como um tipo novo de coronavírus, que foi isolado em sete doentes.
13 de janeiro Primeiro caso confirmado fora da China, na Tailândia.
14 de janeiro A OMS disse que não encontrou provas de transmissão de pessoa para pessoa. https://twitter.com/WHO/status/1217043229427761152 https://nypost.com/2020/03/20/who-haunted-by-old-tweet-saying-china-found-no-human-transmission-of-coronavirus/
O chefe da Comissão Nacional de Saúde da China, Ma Xiaowei, forneceu confidencialmente uma avaliação “sombria” da situação para as principais autoridades de saúde chinesas. O memorando relacionado afirmava que "a transmissão de humano para humano é possível". Uma investigação da AP News indicou que a denúncia de um caso na Tailândia levou à reunião, bem como o risco de se espalhar com o aumento das viagens durante o Ano Novo Chinês e várias considerações políticas. No entanto, o público chinês não é avisado até 20 de janeiro.
15 de janeiro Primeiro caso reportado no Japão do novo coronavírus, entretanto designado como 2019-nCoV. Primeira declaração das autoridades portuguesas sobre o novo coronavírus. A diretora-geral da Saúde estima, com base nas informações provenientes da China, que o surto estará contido e que uma eventual propagação em massa não é "uma hipótese no momento a ser equacionada".
20 de janeiro Autoridades confirmam que há transmissão entre seres humanos. (CM reporta isto mas não consigo confirmar em mais fonte nenhuma, a OMS só confirmou a 23 de Janeiro)
O secretário geral do Partido Comunista Chinês, Xi Jinping, e o primeiro-ministro do Conselho de Estado, Li Keqiang, emitem o primeiro aviso público sobre o coronavírus aos cidadãos chineses. Uma investigação da AP News alegou que, de 14 a 20 de janeiro, as autoridades chinesas tomaram medidas confidenciais para mobilizar sua resposta à pandemia, mas não alertaram o público. Alertar o público seis dias antes podia ter evitado "o colapso do sistema médico de Wuhan", segundo um epidemiologista.
21 de janeiro Primeiro caso nos Estados Unidos, num doente em Washington regressado de Wuhan.
22 de janeiro Macau confirma o primeiro caso da doença, numa altura em que há mais de 440 infetados. Começa o isolamento da cidade de Wuhan ao mundo. Autoridades de saúde chinesas cancelam voos e saída de comboios. Portugal anuncia que acionou os dispositivos de saúde pública e tem três hospitais em alerta: São João (Porto), Curry Cabral e Estefânia (ambos Lisboa).
23 de janeiro OMS reúne comité de emergência na Suíça para avaliar se o surto constitui uma emergência de saúde pública internacional. Decide não a decretar. Autoridades chinesas proíbem entradas e saídas numa segunda cidade, Huanggan, a 70 km de Wuhan. As duas cidades têm em conjunto mais de 18 milhões de habitantes. Alguns aeroportos no mundo, como no Dubai, nos Estados Unidos e nalguns países africanos, começam a tomar precauções para lidar com o fluxo de turistas chineses que tiram férias no Ano Novo Lunar, que coincide com o surto.
24 de janeiro Confirmados em França os primeiros dois casos na Europa, ambos importados.
25 de janeiro Pequim suspende as viagens organizadas na China e ao estrangeiro. Austrália anuncia primeiro caso. Hong Kong declara estado de emergência. Primeiro caso suspeito em Portugal, mas as análises revelam que é negativo.
27 de janeiro O Centro Europeu de Controlo das Doenças pede aos estados-membros da União Europeia que adotem "medidas rigorosas e oportunas" para controlo do novo coronavírus.
28 de janeiro Mecanismo Europeu de Proteção Civil é ativado, a pedido de França, para repatriamento dos franceses em Wuhan. Confirmados dois casos, um na Alemanha e outro no Japão, de doentes que não estiveram na China, tendo sido infetados nos seus países por pessoas provenientes de Wuhan.
29 de janeiro Pelo menos 17 portugueses pedem para sair da China, quase todos na região de Wuhan. Finlândia confirma primeiro caso. Rússia encerra fronteira terrestre com a China. Estudo genético confirma que o novo coronavírus terá sido transmitido aos humanos através de um animal selvagem, ainda desconhecido, que foi infetado por morcegos.
30 de janeiro OMS declara surto como caso de emergência de saúde pública internacional, mas opõe-se a restrições de viagens e trocas comerciais.
31 de janeiro Estados Unidos decidem proibir a entrada de estrangeiros que tenham estado na China nos últimos 14 dias e impor quarentena a viajantes de qualquer nacionalidade provenientes da província de Hubei. Ministério da Saúde de Portugal anuncia que vai disponibilizar instalações onde os portugueses provenientes de Wuhan possam ficar em isolamento voluntário.
1 de fevereiro Austrália proíbe entrada no país a não residentes vindos da China.
2 de fevereiro Os 18 portugueses e as duas brasileiras retirados da cidade de Wuhan chegam a Lisboa e ficam em isolamento voluntário por 14 dias. Filipinas anunciam o primeiro caso mortal no país. É a primeira morte fora da China.
3 de fevereiro OMS anuncia que está a trabalhar com a Google para travar informações falsas sobre o novo coronavírus. O chefe da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, declarou que não havia necessidade de medidas que "interferissem desnecessariamente com viagens e comércio internacionais" para parar o coronavírus. Elogiou a resposta chinesa e referiu que a propagação do vírus é "mínima e lenta".
11 de fevereiro OMS decide dar oficialmente o nome de Covid-19 à infeção provocada pelo novo coronavírus.
13 de fevereiro Autoridades chinesas mudam a forma de contabilizar e assumir casos de infeção. Passam a contar não apenas os casos com confirmação laboratorial, mas também os que têm confirmação clínica apoiada por exames radiológicos.
14 de fevereiro Segunda morte confirmada fora da China, no Japão.
15 de fevereiro Um turista chinês de 80 anos morre em França. É a primeira morte registada na Europa - o primeiro europeu a morrer no seu continente acontece a 26 de fevereiro.
16 de fevereiro Terceira morte confirmada fora da China, num turista chinês que visitava França.
19 de fevereiro Dois primeiros casos revelados no Irão. No mesmo dia é anunciado que os dois morreram devido ao Covid-19.
20 de fevereiro Autoridades chinesas voltam a alterar a metodologia da contagem de infetados, uma decisão que se reflete numa descida acentuada no número de novos casos. Coreia do Sul regista a primeira morte. Suíça adia uma cimeira internacional sobre saúde devido à epidemia, na qual estaria presente o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS) e ministros da Saúde.
21 de fevereiro Autoridades chinesas anunciam que surto está "sob controlo". Itália regista primeira vítima mortal, um italiano de 78 anos.
22 de fevereiro Irão fecha escolas, universidades e centros educativos em duas cidades. País confirma mais de 40 casos de infeção e oito mortes.
23 de fevereiro Autoridade japonesas confirmam que um português, Adriano Maranhão, canalizador no navio Diamond Princess, atracado no porto de Yokohama, deu teste positivo ao vírus da infeção Covid-19. Presidente da China, Xi Jiping, admite que o surto é a mais grave emergência de saúde no país desde a fundação do regime comunista, em 1949. Autoridades italianas ordenam suspensão dos festejos do Carnaval de Veneza. Fundo Monetário Internacional (FMI) considera que epidemia coloca em risco a recuperação económica mundial e manifesta disponibilidade para ajudar financeiramente os países mais pobres e vulneráveis.
24 de fevereiro Comissão Europeia anuncia mobilização de 230 milhões de euros para apoiar a luta global contra o Covid-19. Diretor-geral da OMS avisa que o mundo tem de se preparar para uma "eventual pandemia", considerando "muito preocupante" o "aumento repentino" de casos em Itália, Coreia do Sul e Irão.
25 de fevereiro O português infetado a bordo de um navio de cruzeiros atracado no Japão é enviado para um hospital de referência local. O especialista que liderou a equipa da OMS enviada à China afirma que o mundo "simplesmente não está pronto" para enfrentar a epidemia.
26 de fevereiro Primeiro caso de contágio na América do Sul. É no Brasil, um homem de 61 anos, de São Paulo, regressado do norte de Itália. Vários países confirmam igualmente os primeiros casos: Grécia, Finlândia, Macedónia do Norte, Geórgia e Paquistão. OMS revela que o número de novos casos diários confirmados no resto do mundo ultrapassou pela primeira vez os registados na China.
27 de fevereiro Arábia Saudita suspende temporariamente a entrada de peregrinos que visitam a mesquita do profeta Maomé e os lugares sagrados do Islão em Meca e Medina, bem como turistas de países afetados pelo coronavírus. Segundo português hospitalizado no Japão "por indícios relacionados" com o Covid-19, também tripulante do navio de cruzeiros Diamond Princess. A DGS divulga orientações às empresas, aconselhando-as a definir planos de contingência para casos suspeitos entre os trabalhadores que contemplem zonas de isolamento e regras específicas de higiene, e para portos e viajantes via marítima, que define que qualquer caso suspeito validado deve ser isolado e que apenas um elemento da tripulação deve contactar com o passageiro.
28 de fevereiro Primeiro caso confirmado na África subsariana, na Nigéria, depois de terem sido identificadas infeções no norte do continente, no Egito e na Argélia. Suíça proíbe pelo menos até 15 de março qualquer evento público ou privado que reúna mais de mil pessoas. Comissão Europeia solicita aos Estados-membros da UE que avaliem os impactos económicos do novo coronavírus. OMS aumenta para "muito elevado" o nível de ameaça do novo coronavírus. Responsáveis da Feira Internacional de Turismo de Berlim anunciam a suspensão do evento, considerado o maior do mundo, que se deveria realizar entre 4 e 8 de março. Governo português reforça em 20% o stock de medicamentos em todos os hospitais do país, além de estar a preparar um eventual reforço de recursos humanos.
29 de fevereiro Governo francês anuncia cancelamento de "todas as concentrações com mais de 5.000 pessoas" em espaços fechados e alguns eventos no exterior, como a meia-maratona de Paris. Primeira vítima mortal nos Estados Unidos da América.
1 de março Governo das Astúrias confirma primeiro caso de infeção pelo novo coronavírus na região espanhola, o escritor chileno Luis Sepúlveda, que esteve recentemente na Póvoa de Varzim, em Portugal. Macau com perdas históricas nas receitas do jogo em fevereiro, menos 87,8% em relação a igual período de 2019, num mês em que os casinos fecharam por 15 dias devido ao surto de Covid-19. Adriano Maranhão, primeiro português infetado no Japão, tem alta hospitalar.
2 de março Confirmados dois primeiros casos em Portugal Funcionários públicos em teletrabalho ou isolamento profilático sem perda de salário em Portugal, segundo um despacho do Governo. Governo português divulga um despacho a ordenar aos serviços públicos que elaborarem planos de contingência para o surto de Covid-19.
3 de março Primeira morte em Espanha. Itália confirma 79 mortes. Número de infetados em Portugal sobe para quatro. Mais de três mil mortos e de 91 mil infetados em todos os continentes, segundo dados da OMS. Os países mais afetados são China, Coreia do Sul, Irão e Itália. Hospitais São João e Santo António, no Porto, esgotaram capacidade de resposta a casos suspeitos, novas unidades são ativadas Comissão Nacional de Proteção Civil passa a funcionar em permanência, para fazer face ao novo coronavírus. Governo português dá cinco dias às empresas públicas para elaborarem planos de contingência. Reserva Federal dos Estados Unidos (Fed), que gere a política monetária do país, corta em 50 pontos base as taxas de juro, devido ao novo coronavírus. O presidente da Fed, Jerome Powell, considera inevitável que os efeitos do surto alastrem às economias mundiais e alterem o seu normal funcionamento "durante algum tempo". FMI e Banco Mundial anunciam que reuniões de abril, que se realizam anualmente em Washington, vão ser feitas à distância, em "formato virtual".
4 de março Itália, o país europeu mais afetado, fecha todas as escolas e universidades. Tinha então 3,089 infetados e 107 mortos. Número de infetados em Portugal sobre para seis. Em todo o mundo, há registo de mais de 3.100 mortos e de 93.100 infetados em 77 países de cinco continentes. Mais de 290 milhões de jovens sem aulas em todo o mundo, segundo a UNESCO. Os trabalhadores em quarentena em Portugal por determinação de autoridade de saúde vão receber integralmente o rendimento nos primeiros 14 dias, diz despacho do Diário da República. O primeiro-ministro português anuncia linha de crédito para apoio de tesouraria a empresas afetadas pelo impacto económico do surto do novo coronavírus, caso seja necessário, no valor inicial de 100 milhões de euros. Banco Mundial anuncia 12.000 milhões de dólares (cerca de 10.786 milhões de euros) para ajudar os países que enfrentam impactos económicos e de saúde. O setor dos serviços contraiu pela primeira vez na China desde que há registos. FMI diz que crescimento mundial será inferior em 2020 ao de 2019 devido ao impacto da epidemia do novo coronavírus, mas que é "difícil prever quanto". Surto diminuiu exportações mundiais em 50 mil milhões de dólares em fevereiro, segundo uma análise publicada pela Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento. A Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo, no Porto, suspende aulas por ter havido contactos com o quinto infetado.
5 de março Portugal com nove casos de infeção. O número de pessoas infetadas em todo o mundo aumenta para 97.510, das quais 3.346 morreram, em 85 países e territórios. A China é o país mais afetado (80.409 casos e 3.012 mortes); seguido pela Coreia do Sul (6.088 casos, 35 mortes), Itália (3.858 casos, 148 mortes) e Irão (3.513 casos, 107 mortes). Bolsa de Turismo de Lisboa adiada para 27 a 31 de maio Perdas das companhias aéreas mundiais podem chegar aos 113 mil milhões de dólares (101,1 mil milhões de euros), estima a associação internacional de transporte aéreo (IATA). TAP reduz 1.000 voos em março e abril devido a quebra nas reservas, suspende investimentos e avança com licenças sem vencimento. O Fundo Monetário Internacional disponibiliza 50 mil milhões de dólares (cerca de 46,7 mil milhões de euros) para combater o surto.
6 de março 13 casos infetados em Portugal. Número de casos no mundo ultrapassa os 100 mil, das quais 3.456 morreram, em 92 países e territórios. A China (sem as regiões administrativas de Macau e Hong Kong), o país onde a epidemia foi declarada no final de dezembro, soma 80.552 casos e 3.042 mortes. Preço do barril de Brent cai mais de 6%, para 47 dólares, devido à quebra da procura
7 de março Número de infeções em Portugal sobe para 21 Visitas a hospitais, lares e estabelecimentos prisionais da região Norte suspensas temporariamente. A ministra da Saúde portuguesa, Marta Temido, recomenda também o adiamento de eventos sociais. Uma escola de Idães, em Felgueiras, o Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar (ICBAS), a Faculdade de Farmácia da Universidade do Porto e o edifício do curso de História da Universidade do Minho foram encerrados por serem instituições relacionadas com casos de pessoas infetadas em Portugal. Governo italiano proíbe as entradas e saídas da Lombardia e de outras 11 províncias próximas para limitar a disseminação do coronavírus, que já causou 233 mortes e 5.061 infetados em todo o país.
8 março Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa decide entrar em quarentena de 14 dias após receber em Belém uma turma de Felgueiras. Mais quatro casos em Portugal, número de infetados sobe para 25. Reino Unido anuncia um aumento de 64 novos casos, elevando-o a um total de 273 casos. Este país regista três mortos. EUA tem 564 infetados, os mortos são 21. Itália confirma 1.492 casos adicionais e 133 mortes. Números totais: 7.375 infetados e 366 mortos. O primeiro-ministro Giuseppe Conte estendeu o bloqueio de quarentena para cobrir toda a região da Lombardia e outras 14 províncias do norte do país. Registado o primeiro morto em África, que ocorre no Egito - um cidadão alemão hospitalizado a 1 de março e depois sofreu insuficiência respiratória causada por pneumonia aguda. DGS encerra escolas e suspende atividades de lazer e culturais nos concelhos de Lousada e Felgueiras por causa do acumular de casos.
9 março Alemanha regista as duas primeiras mortes no país. Infetados aumentam para 1.176. Universidades de Lisboa e Coimbra suspendem todas as aulas presenciais por duas semanas. Itália estende quarentena a todo o país, onde número de mortos atinge 463. Primeiros casos em Chipre significam que todos os países da União Europeia estão atingidos pelo novo coronavírus. Números da Espanha aumentam para 1.231 casos, com 30 mortes. Itália: 9.172 infetados e 463 mortos. França revela que os deputados Guillaume Vuilletet e Sylvie Tolmont estão infetados, havendo cinco deputados da Assembleia com Covid-19. Também foi confirmado que o ministro da Cultura, Franck Riester, havia testado positivo. O número de casos aumentou para 1.412.
10 março Câmara de Lisboa encerra museus, teatros municipais e suspende atividades desportivas em recintos fechados. Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) decreta fecho de museus, monumentos e palácios na sua dependência. Governo português suspende voos para todas as regiões de Itália por 14 dias. O primeiro-ministro italiano Conte estende o bloqueio de quarentena a toda a Itália, incluindo restrições de viagens e a proibição de reuniões públicas. Número de infetados sobe para 10.149, número de mortos é já 631. Portugal: 41 infetados
11 março Organização Mundial de Saúde passa a considerar o Covid-19 como uma pandemia, isto é um surto de doença com distribuição geográfica internacional muito alargada e simultânea. Itália anuncia que o jogador da Juventus Daniele Rugani, colega de Ronaldo, testa positivo para Covid-19. Total de infetados em Itália: 12.462. Total de mortos: 827. Portugal: 59 infetados. Turquia anuncia primeiro caso num homem regressado da Europa. Mais de mil médicos disponibilizam-se para reforçar a capacidade de resposta do Serviço Nacional de Saúde.
12 março Portugal decide encerrar todos os estabelecimentos de ensino até ao final das férias da Páscoa a partir de 16 de março, encerramento de discotecas, restrições em restaurantes, centros comerciais, serviços públicos e proibição de desembarque de passageiros de cruzeiros. Portugal tem agora 78 pessoas infetadas e ainda zero mortes relacionadas com Covid-19. Estado de alerta declarado em todo o país, com proteção civil e forças e serviços de segurança em prontidão. Região Autónoma da Madeira suspende atracagem de navios de cruzeiro e impõe medição de temperatura a passageiros nos aeroportos. Governo dos Açores fecha escolas e museus, interdita cinemas e ginásios. Hospital de São João anuncia que uma das primeiras pessoas internadas em Portugal com Covid-19 se curou. Em apenas um dia, Itália regista 2651 novos infetados, elevando o número de doentes com Covid-19 para 15.113. Nas mesmas 24 horas, morreram 189 italianos. O total de mortos em Itália é agora 1.016.
13 março Europa toma o lugar da China como maior epicentro do coronavírus, diz a OMS, numa altura em que o crescimento de casos abranda no país oriental (China tem agora 80.815 infetados e 3.117 mortos) e acelera em Itália e no resto do continente europeu. Portugal: 112 infetados com o Covid-19. 61 países da África, Ásia, Europa, Oriente Médio, América do Norte e América do Sul anunciaram ou implementaram fecho total ou parcial de escolas e universidades. Trinta e nove países fecharam todas as escolas, afetando 421,4 milhões de crianças e jovens. Nesta altura são 11 os países que proíbem a entrada de voos de Portugal (e da Europa): Arábia Saudita, Argentina, El Salvador, EUA, Guatemala, Itália, Jordânia, Kuwait, Nepal, República Checa e Venezuela. Estados Unidos proíbem entrada de voos de passageiros vindos do espaço Schengen na Europa (26 países, incluindo obviamente Portugal) durante 30 dias. Venezuela, país de 32 milhões de habitantes, confirma os dois primeiros casos de infetados: uma pessoa vinda dos EUA e outra de Espanha. O país de Nicolas Maduro também proibiu voos vindos da Europa durante um mês. Eslováquia, Malta e República Checa fecham fronteiras com os países membros da EU. Governo permite a funcionários públicos ficar em casa em regime de teletrabalho sempre que funções o permitam. Madeira suspende voos provenientes da Dinamarca, França, Alemanha, Suíça e Espanha, países de transmissão ativa.
Presidente dos EUA, Donald Trump, declara estado de emergência nacional.
UEFA suspende todos os jogos sob a sua égide, incluindo Liga dos Campeões e Liga Europa. República Checa anuncia fecho total de fronteiras a partir de 16 de março.
14 março Número mundial de infetados: 150.054. Total de mortos: 5.617 Portugal: 169 infetados. Nas últimas 24 horas houve 57 novos casos. Não há ainda mortes em Portugal. Ministra da Saúde, Marta Temido, anuncia que Portugal entrou "numa fase de crescimento exponencial da epidemia", com 169 casos confirmados.
Açores e Madeira decidem quarentena obrigatória para todas as pessoas que cheguem às regiões autónomas. Governo de Espanha, onde há mais de 5.700 casos, impõe "medidas drásticas" no âmbito do estado de alerta, proíbe cidadãos de andar na rua, exceto para irem trabalhar, comprar comida ou à farmácia.
15 de março Número de casos em Portugal atinge 245, em todo mundo há quase 160.000 pessoas infetadas e já morreram mais de 6.000.
Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, convoca Conselho de Estado por videoconferência para 18 de março, para discutir a "eventual decisão de decretar o estado de emergência" em Portugal.
Sindicato Independente dos Médicos conta mais de 50 clínicos infetados e mais de 150 em quarentena.
Governo proíbe consumo de bebidas alcoólicas na via pública e eventos com mais de cem pessoas, apelando para que deslocações se limitem ao estritamente necessário.
Autoridade Marítima Nacional interdita atividades desportivas ou de lazer que juntem pessoas nas praias do continente, Madeira e Açores.
16 de março Portugal regista a primeira morte devido ao coronavírus. O número de infetados pelo novo coronavírus sobe para 331. Segundo a Direção-Geral da Saúde, há 2.908 casos suspeitos, dos quais 374 aguardam resultado laboratorial.
Governo português anuncia o controlo de fronteiras terrestres com Espanha, passando a existir nove pontos de passagem e exclusivamente destinados para transporte de mercadorias e trabalhadores que tenham de se deslocar por razões profissionais.
Portugal vai também intensificar o controlo sanitário nos aeroportos.
Macau decreta quarentena obrigatória de 14 dias para quem chegar ao território, com exceção da China continental, Taiwan e Hong Kong.
Assembleia da República dispensa funcionários inseridos em grupos de risco e promove o trabalho à distância e rotatividade.
17 de março O número de infetados sobe para 448.
É anunciado que o SNS foi reforçado com mais 1.800 médicos e 900 enfermeiros e que há 30 profissionais de saúde infetados, 18 dos quais médicos. E é também anunciado o nascimento do primeiro bebé filho de uma mulher infetada. O bebé não foi infetado.
O governo regional da Madeira anuncia o primeiro caso na região.
O município de Ovar fica sujeito a "quarentena geográfica" e o Governo declara o estado de calamidade pública para o concelho, que passa a ter entradas e saídas controladas. A circulação de pessoas nas ruas também é controlada.
António Costa anuncia a suspensão das ligações aéreas de fora e para fora da União Europeia.
A CP reduz em 350 as ligações diárias.
18 de março O Presidente da República decreta o estado de emergência por 15 dias, depois de ouvido o Conselho de Estado e de ter obtido o parecer positivo do Governo e da aprovação do decreto pela Assembleia da República.
O estado de emergência vigora até 02 de abril.
António Costa diz que "o país não para" e que o Governo tudo fará para manter a produção e distribuição de bens essenciais.
O estado de emergência contempla o confinamento obrigatório e restrições à circulação na via pública. A desobediência é crime e pode levar à prisão.
No dia em que o Governo revela um conjunto de linhas de crédito para apoio à tesouraria das empresas de 3.000 milhões de euros, é também anunciado que as contribuições das empresas para a Segurança Social são reduzidas a um terço em março, abril e maio, e que as empresas vão ter uma moratória concedida pela banca no pagamento de capital e juros.
O número de infetados sobe para 642 e regista-se uma segunda morte. O Alentejo regista os primeiros dois casos.
19 de março O número de vítimas mortais sobe para três em Portugal, com os casos confirmados a ascenderem a 785. Graça Freitas anuncia que quem apresentar sintomas ligeiros ou moderados da doença é seguido a partir de casa.
O primeiro-ministro anuncia, após a reunião do Conselho de Ministros, as medidas e regras para cumprir o estado de emergência, incluindo o "isolamento obrigatório" para doentes com covid-19 ou que estejam sob vigilância. Os restantes cidadãos devem cumprir "o dever geral de recolhimento domiciliário". A regra é que os estabelecimentos com atendimento público devem encerrar e o teletrabalho é generalizado.
A proposta de lei do Governo com as medidas excecionais é de imediato promulgada pelo Presidente da República.
É também anunciado que o Governo criou um "gabinete de crise" para lidar com a pandemia e que suspendeu o pagamento da Taxa Social Única.
O governo dos Açores determina a suspensão das ligações aéreas da transportadora SATA entre todas as ilhas e a TAP anuncia que vai reduzir a operação até 19 de abril, prevendo cumprir 15 dos cerca de 90 destinos.
20 de março Com o país recolhido começam a destacar-se respostas da sociedade civil e das autarquias para fazer face à pandemia, anunciam-se ações de solidariedade para com os mais necessitados.
O Governo reúne-se em Conselho de Ministros para aprovar um conjunto de medidas de apoio social e económico para a população mais afetada. António Costa anuncia que é adiado para o segundo semestre o pagamento do IVA e do IRC, a prorrogação automática do subsídio de desemprego e do complemento solidário para idosos e do rendimento social de inserção.
É também anunciado que as celebrações religiosas, como funerais, e outros eventos que impliquem concentração de pessoas são proibidos, e que as autoridades de saúde ou de proteção civil podem decretar a requisição civil de bens ou serviços públicos se necessários para o combate à doença.
Portugal tem seis vítimas mortais e 1.020 casos confirmados.
21 de março O número de mortes sobe para 12, o dobro do dia anterior, e os infetados são 1.280.
Marta Temido estima que o pico de casos aconteça em meados de abril, e diz que Portugal vai adotar um novo modelo de tratamento de infetados, que passa pelo aumento do acompanhamento em casa. Graça Freitas estima que a taxa de letalidade é de cerca de 1%, mas avisa que pode mudar.
O Governo anuncia que vai prorrogar os prazos das inspeções automóveis e reduz os leilões nas lotas, criando uma linha de crédito até 20 milhões de euros para o setor da pesca.
Com o país em casa surgem as primeiras notícias de infeções em lares. Na Casa de Saúde da Idanha, em Belas, arredores de Lisboa, é anunciado que 10 utentes estão infetados. Um lar em Vila Nova de Famalicão fica sem funcionários depois de oito terem dado positivo ao covid-19.
O ministro dos Negócios Estrangeiros anuncia que a TAP prevê realizar voos para a Praia e Sal (Cabo Verde), Bissau (Guiné-Bissau) e São Tomé para transportar portugueses para casa.
22 de março O número de mortes associadas à covid-19 sobe para 14 e o de infetados para 1.600 (mais 320).
Num domingo de sol muitas pessoas saem à rua e na Póvoa de Varzim a polícia é chamada devido ao "desrespeito ao estado de emergência" (multidão a passear). Em Coimbra a PSP também é chamada por causa de um aglomerado na Mata Nacional do Choupal.
São detidas sete pessoas no país por crime de desobediência.
Os utentes do lar de Famalicão são transferidos para o Hospital Militar do Porto.
As autoridades iniciam o repatriamento de mais de 1.300 passageiros que chegam a Lisboa num navio de cruzeiro (entre eles estão 27 portugueses).
O Governo assina três despachos, que entram em vigor no dia seguinte, para garantir serviços essenciais de abastecimento de água e energia, recolha de lixo e funcionamento de transportes públicos.
O presidente da Associação Nacional de Freguesias, Jorge Veloso, pede que as pessoas das cidades e os emigrantes evitem ir para o interior.
23 de março Portugal tem 23 mortes e 2.600 infeções.
As queixas sobre a falta de equipamentos para quem mais necessita, como profissionais de saúde ou de segurança, começam a surgir. O Governo anuncia que o Estado vai comprar à China equipamentos de proteção e que espera quatro milhões de máscaras. Cinco polícias e dois técnicos sem funções policiais estão infetados numa esquadra de Vila Nova de Gaia.
O Governo cria uma linha de apoio de emergência de um milhão de euros para artistas e entidades culturais e reforça com 50 milhões de euros os acordos de cooperação com o setor social (responsável pelos lares de idosos ou centros de dia).
Uma residência para idosos na Maia, Porto, coloca em isolamento 46 idosos devido a casos de infeção.
24 de março O número de mortes sobe para 33 e o número de infeções passa a 2.362.
A secretária de Estado da Administração Interna, Patrícia Gaspar, anuncia a ativação do Plano Nacional de Emergência de Proteção Civil, no mesmo dia em que são já 27 as detenções por violação das regras do estado de emergência.
O Presidente da República admite que o pico da pandemia possa ocorrer depois de 14 de abril. No parlamento, o presidente e líder parlamentar do PSD abandona o plenário depois de uma discussão sobre o número excessivo de deputados na bancada social-democrata.
A Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT) lança uma linha de financiamento de 1,5 milhões de euros para investigação e "implementação rápida" de respostas às necessidades do SNS.
Em Vila Real, o presidente da Câmara alerta para a existência de 20 utentes e funcionários de um lar infetados com covid-19.
O Rali de Portugal é adiado.
25 de março Portugal regista mais 10 mortes chegando às 43, quando são contabilizadas 2.995 infeções.
O secretário de Estado da Saúde diz que o sistema tem capacidade de fazer 8.600 testes diários. A questão de se fazer mais testes ou não divide opiniões.
A Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil coloca em alerta laranja, o segundo mais grave, os distritos de Lisboa, Porto e Aveiro.
O ministro de Estado e das Finanças diz que o país "nunca esteve tão bem preparado" para enfrentar uma crise como a causada pelo vírus.(lol) O Banco de Portugal anuncia que é facilitada a concessão de crédito pessoal por parte dos bancos.
A Câmara de Melgaço implementa um cerco sanitário na aldeia de Parada do Monte, com 370 habitantes, após confirmação de três casos de infeção.
A ASAE diz que já fiscalizou 41 operadores económicos por causa de especulação de preços.
26 de março Há 3.544 infeções e morreram 60 pessoas.
Há doentes a ser tratados com medicamentos da malária e do ébola, ainda que sem certezas, diz Graça Freitas.
O Banco de Portugal estima que o Produto Interno Bruto caia este ano 3,7% num cenário base e 5,7% num cenário adverso, devido à pandemia. A taxa de desemprego deve subir acima dos 10%. No dia em que Marcelo Rebelo de Sousa admite prolongar o estado de emergência reúne-se o Governo em Conselho de Ministros e aprova a suspensão até setembro do pagamento dos créditos à habitação e de créditos de empresas. Aprova também medidas excecionais de proteção dos postos de trabalho (como redução temporária de horário ou suspensão do contrato) e uma proposta de lei que prevê um regime de mora no pagamento das rendas, habilitando ainda o Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana a conceder empréstimos a inquilinos.
Na Maia um lar de idosos infetado é evacuado, em Vila Real aumentam as infeções num lar de idosos, de 20 para 45.
É anunciado que quem aterrar nos Açores tem confinamento obrigatório de 14 dias.
27 de março No lar da Nossa Senhora das Dores, em Vila Real, são agora 88 os infetados, entre os quais 68 utentes.
Em Portugal o número de mortes chega a 76 e o número de infetados sobe para 4.268.
Graça Freitas diz agora que o pico da pandemia pode afinal ser só em maio.
António Costa anuncia a chegada a Portugal de milhares de equipamentos de proteção individual e o Laboratório Militar também anuncia que começou a fazer testes de diagnóstico. Outras entidades como o Instituto de Medicina Molecular também começam a fazer testes.
Mil e quinhentos enfermeiros voluntariam-se para reforçar o apoio à linha telefónica SNS24, segundo a bastonária da Ordem.
As forças de segurança detiveram, desde o início do estado de emergência, 64 pessoas por crime de desobediência, e mandaram encerrar 1.449 estabelecimentos. O balanço é do MAI, segundo o qual também foram impedidas de entrar em Portugal 850 pessoas e uma delas foi detida. A detida, viria a confirmar-se depois, estava infetada com covid-19.
No Algarve, quando se aproxima o período da Páscoa, que costuma encher os hotéis, a associação empresarial do setor diz que a hotelaria está praticamente encerrada.
28 de março O número de mortes ascende à centena e os infetados são 5.170. Marta Temido também diz que o pico da epidemia só deve acontecer no final de maio e que as medidas de contenção social estão a abrandar a curva de infeções.
O Presidente da República pede aos portugueses para que, no período da Páscoa, continuem a respeitar as regras de contenção. A PSP interpela todas as pessoas que atravessam a Ponte 25 de Abril, no sentido norte-sul, e são divulgadas imagens de grandes filas de carros, alguns deles, diz a PSP, em incumprimento do estado de emergência.
É publicada uma retificação do diploma inicial do "lay-off" simplificado, acautelando que nenhum trabalhador de empresas que recorram e esse apoio pode ser despedido.
O Governo anuncia que vai organizar uma operação de transporte aéreo para o regresso temporário a Portugal de professores portugueses que estão em Timor-Leste.
29 de março Portugal contabiliza 119 mortes e 5.962 casos de infeções p. O número de pessoas internadas nos cuidados intensivos é de 138 doentes, um aumento para o dobro em relação ao dia anterior.
As notícias sobre infeções em lares continuam, como em Foz Côa, Guarda, onde o lar tem 47 infetados num universo de 62 idosos, segundo o provedor.
Em Ovar, onde foi declarado o estado de calamidade pública, são cinco as mortes, uma delas uma jovem de 14 anos, diz o vice-presidente da Câmara.
Nos Açores, o concelho de Povoação, na ilha de S. Miguel, é também submetido a um cordão sanitário.
Surgem notícias, através de sindicatos, de que há pelo menos um guarda prisional infetado do estabelecimento de Custoias e de uma auxiliar de ação médica no hospital prisional de Caxias. O Governo diz que vai ponderar criteriosamente a recomendação das Nações Unidas para libertação imediata de alguns presos mais vulneráveis.
30 de março António Costa avisa que Portugal "vai entrar no mês mais crítico desta pandemia", no dia em que os números da DGS indicam que há 140 mortes e 6.408 infetados.
Segundo o primeiro-ministro, com ou sem estado de emergência vai ser preciso prolongar as medidas que têm sido adotadas. E, diz também, que na próxima semana pretende cobrir o país com despistes de covid-19 em lares.
O secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales, afirma que o número de profissionais de saúde infetados chegou aos 853, e Graça Freitas admite impor-se uma cerca sanitária na região do Porto, motivando fortes críticas.
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho, diz que a segurança social recebeu 1.400 pedidos de empresas que pretendem aderir ao "lay-off" simplificado.
(Continua nos comentários)
O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, admite nacionalizações e diz que seria "um erro trágico" reagir com medidas de austeridade à crise provocada pela pandemia, defendendo antes o apoio ao crescimento da economia.
O Governo pede a abertura de "forma condicionada" das juntas de freguesia onde estão instalados postos dos CTT, lembrando que esses serviços garantem a entrega de pensões. A empresa anunciou que ia antecipar a emissão e pagamento de vales em dois dias úteis.
Marcelo Rebelo de Sousa diz que se impõe manter as medidas de contenção que vigoram em Portugal.
A TAP avança para um processo de "lay-off" para 90% dos trabalhadores.
O governo dos Açores prolonga a situação de contingência no arquipélago até 30 de abril.
(Limite de Caracteres continua nos Comentários)
submitted by HairlessButtcrack to portugal [link] [comments]


2020.04.06 13:24 thirty723 Teletrabalho - ajudas de custo

Viva. Para o pessoal que teve a hipótese de continuar o seu trabalho em casa durante este período e que, adicionalmente, recebe parte do vencimento em "ajudas de custo" (i.e., deslocações em viatura particular em contexto de trabalho) como vai a vossa empresa lidar com isto? Uma vez que não existirão "deslocações"... Obg.
submitted by thirty723 to portugal [link] [comments]


2020.03.17 16:09 kaxinawa-pan Contratos do Ministério da Saúde

O Ministério da Saúde vai receber, até hoje à noite, propostas de empresas para o fornecimento emergencial de 11.210.000 aventais hospitalares, de três diferentes tamanhos. São aqueles aventais que cobrem todo o corpo, descartáveis, para uso único. Real Oficial.
Também até hoje o ministério irá receber propostas para o aluguel de equipamentos para leitos de UTIs. O aluguel será de “kits”, que deverão ser alocados em cada 10 leitos. Cada kit será composto por dez camas motorizadas com elevação, dez monitores multiparamétricos, dez ventiladores pulmonares microprocessados, dois desfibriladores, entre outros itens. O aviso de chamamento público, no entanto, não especifica quantos kits serão alugados pelo governo. Real Oficial.
O Ministério da Saúde publicou também uma contratação por dispensa de licitação, no valor de R$ 28.680.000,00 para “fornecimento de gestão integrada de equipamentos para leitos de UTI, compreendendo locação de equipamentos, programa agregado de educação continuada, manutenção preventiva, corretiva e suporte logístico (fornecimento de insumos e acessórios necessários para a realização da manutenção). Real Oficial.
A empresa contratada foi a RTS Rio S/A, sediada no Rio de Janeiro. A companhia já teve contratos assinados com o governo federal, associado a diferentes órgãos, desde 2010. Mas nenhum chegou perto do valor da contratação de agora. O maior deles, conforme dados do Portal da Transparência, foi no valor de R$ 986,4 mil, assinado com a Fiocruz, em 2016, para a manutenção de equipamentos de saúde. No atual governo, foram assinados somente dois contratos, ambos de baixo valor, totalizando R$ 25 mil. Agora a empresa foi a escolhida para um contrato de quase R$ 30 milhões.

Medidas normativas sobre o coronavírus

Real Oficial: Decreto nº 10.277, de 16 de março de 2020, Portaria nº 395, de 16 de março de 2020 (Ministério da Saúde), Portaria nº 4, de 15 de março de 2020 (Departamento Penitenciário Nacional), Instrução Normativa nº 21, de 16 de março de 2020 (Ministério da Economia), Portaria nº 125, de 16 de março de 2020 (Ministério da Justiça), Resolução nº 4.782, de 16 de março de 2020 (Banco Central), Resolução nº 4.783, de 16 de março de 2020 (Banco Central) e Deliberação nº 846, de 16 de março de 2020 (Comissão de Valores Mobiliários)
submitted by kaxinawa-pan to coronabr [link] [comments]


2020.03.10 03:42 faturaatrasadabesni 4 DICAS PARA INICIANTES EM CARTÃO DE CRÉDITO

Um cartão de crédito é uma ferramenta útil. Pode ser usado em todo o mundo, ajudá-lo a aumentar sua classificação de crédito, cobrir a escassez de fluxo de caixa e ser uma fonte valiosa de recursos em caso de emergência.
Mas, além de conhecer todos os benefícios que podem advir de um cartão de crédito, é importante observar também algumas das condições associadas a um cartão. Aqui estão algumas dicas para ajudar você a aproveitar ao máximo seu primeiro cartão de crédito.
  1. Encontre um cartão que atenda às suas necessidades
Diferentes tipos de cartões de crédito têm benefícios diferentes e podem ser mais adequados a diferentes padrões de gastos e reembolsos. Em termos gerais, os cartões de crédito podem ser agrupados em três categorias:
Taxa baixa : esses cartões podem ser adequados para quem procura a conveniência de um cartão de crédito com uma baixa taxa anual e tem certeza de que pagará regularmente seu saldo integralmente. Cartões com taxas baixas atraem taxas de juros mais altas do que alguns outros tipos de cartões.
  1. Conheça seus limites de gastos mensais
Você vai querer evitar gastos excessivos e se endividar além do seu alcance a todo custo. Antes de retirar um cartão de crédito, use nosso planejador de orçamento para avaliar quanto de renda disponível você tem a cada mês que poderia ser usado para reembolsar um cartão de crédito. Nossa calculadora de pagamento com cartão de crédito pode ajudá-lo a descobrir quanto tempo levaria para pagar seu saldo, com base no que você pode pagar.
Você pode optar por pagar em qualquer lugar entre o pagamento mínimo devido ou o saldo total a cada mês, mas quanto mais você pagar, menos juros será cobrado.
  1. Veja como os juros são calculados
Cada cartão de crédito tem taxas de juros diferentes para diferentes tipos de transações, como compras regulares, transferências de saldo e adiantamentos em dinheiro. A taxa de juros que você costuma ver na publicidade é a taxa de juros de compra, que é a taxa cobrada pelas compras se você não pagar o saldo integral até a data de vencimento do pagamento no extrato todos os meses. Muitos cartões de crédito vêm com um período sem juros que você pode usar para sua vantagem.
  1. Entenda as taxas e cobranças
Com cartões de crédito, há outras cobranças além das taxas de juros a serem observadas. Garantir que você faça pelo menos seu pagamento mínimo até a data de vencimento de cada mês evitará taxas de pagamento em atraso. Lembre-se também de que, se você retirar dinheiro com seu cartão de crédito, será cobrada uma taxa de adiantamento em dinheiro, bem como juros à taxa de juros. Confira nossas taxas e cobranças padrão para serviços de cartão de crédito.
submitted by faturaatrasadabesni to u/faturaatrasadabesni [link] [comments]


2020.01.14 08:28 Shunnedo Contrato de academia - receio quanto a cobranças indevidas

Me matriculei em uma academia em outubro de 2019.Na ocasião da matricula, me deram duas opções:
1- Pagar um preço menor mensalmente por 1 ano, cadastrando o cartão de credito - devendo pagar multa se cancelar
2- Pagar um preço maior, em dinheiro, a cada mês, não tendo taxa de cancelamento e sem cadastrar o cartão.
Escolhi a opção 2, porém, me deram um contrato para assinar, que na verdade foi feito para quem escolheu a opção 1 - tinha campos para colocar o numero de cartão e tal, mas a funcionaria da academia me disse pra apenas assinar o nome já que eu tinha escolhido a outra opção.

Fiz academia por 1 mês, e parei de ir no outro mês. Perguntei à funcionaria da academia se eu precisava solicitar o cancelamento, visto que tinha escolhido a opção 2 (sem cadastrar o cartão) - ela me disse que não, que já estava cancelado.Isso foi em novembro de 2019, porém, fui ver no meu e-mail hoje que me encaminharam esse contrato na época, que foi o mesmo que assinei na ocasião, e só agora fui ler ele direito - no contrato nem existe a opção sem cadastrar o cartão.
Não foi feita nenhuma cobrança indevida por parte da academia até então (pelo menos não recebi nenhum email, nenhuma carta e nem nada cobrando), porém, tenho receio de que cobrem varias mensalidades de uma vez + multa após muito tempo, visto que assinei esse contrato.

No contrato, que eu assinei, consta (coloquei apenas as partes relevantes):
2) Aderindo a este contrato você autoriza a ***** a debitar automaticamente ( recorrente ) em conta-corrente ou cartão de crédito o valor da taxa de adesão , das mensalidades e da taxa de manutenção anual discriminadas neste termo , as quais compõem o preço do serviço . Autoriza também, em caso de não ser possível a cobrança a ser realizada ( falta de fundos ou crédito ) a mesma vir a ser cobrada com multa e juros conforme condições estipuladas neste contrato .
3) A Taxa de adesão será cobrada no ato da inscrição. As mensalidades serão debitadas uma vez ao mês sempre no dia correspondente da cobrança da 1ª mensalidade. A taxa de manutenção anual ( anuidade ) será cobrada uma vez ao ano na data e valor descriminados abaixo e sucessivamente a cada 12 meses corrigida pelo IGP-M , em caso de rescisão antecipada antes do vencimento da manutenção será cobrada proporcional . Todos os valores estabelecidos neste termo serão automaticamente reajustados anualmente pela variação do IGP-M.
4) No caso de atraso no pagamento será cobrada multa de 10% e juros de mora de 1% ao mês sobre o valor devido + a taxa de boleto vigente se tiver que o mesmo ser emitido.
5) Este contrato tem prazo de 12 meses e é renovável automaticamente por iguais períodos!
6) Cancelamento: O cancelamento deverá ser solicitado com antecedência mínima de 30 dias da próxima cobrança, através de carta feita a mão e protocolada na recepção da sua unidade. Se no cancelamento tiver sido enviada a próxima cobrança poderá usar a academia até o término da mensalidade debitada. Ao fazer o cancelamento deverá PAGAR o valor de R$ 99,00 (Unidade ****) PARA A EFETIVAÇÃO DO CANCELAMENTO!
10) O não comparecimento à academia não exime o aluno do pagamento de seu plano contratado, pois o serviço se encontrava continuamente a sua disposição e se fosse o caso deveria ter informado a academia para o cancelamento de seu plano.
32)Desde o presente momento reconhece a exatidão da dívida assumida por este instrumento e autoriza em caráter irrevogável que a academia ceda e/ou transfira os recebíveis oriundos deste contrato ao mercado financeiro em geral .Os menores de 18 anos deverão assinar o presente junto com seu responsável legal .
Autoriza desde já a academia a encaminhar em caso de atrasos no pagamento a sua dívida para empresas de cobrança e autoriza a efetuar a inclusão do seu CPF no Serasa/SPC . As partes elegem o Foro da Comarca da cidade abaixo , para dirimir quaisquer questões oriundas deste contrato em renúncia de qualquer outro .

Gostaria de saber como proceder, se há alguma precaução que devo tomar.
Obrigado
submitted by Shunnedo to ConselhosLegais [link] [comments]


2019.11.22 17:19 demaraujo Concurso para Docência - Engenharia Mecânica subárea Projeto Mecânico

Instituição: UFSJ - Universidade Federal de São João Del-Rei
Cargo: Docência - Engenharia Mecânica subárea Projeto Mecânico
Escolaridade: Superior Completo
Vagas: 2
Salário / Benefícios: vencimento entre R$ 4.472,64 a R$ 9.616,18
Carga horária: 40 horas semanais
Período de Inscrições: De 13 de novembro de 2019 até 13 de dezembro de 2019
Valor da Inscrição: R$ 240,00.
Data da Prova: 04 de março de 2020 - Prova Escrita, Prova Didática e Prova de Títulos
Edital: https://arquivo.pciconcursos.com.bufsj-mg-promove-tres-novos-concursos-publicos/1487265/57ea2380bb/edital_de_abertura_n_53_2019.pdf
submitted by demaraujo to engenhariamecanica [link] [comments]


2019.05.22 11:36 whine_and_cheese I am cancelling my car insurance early. The bank says I must sell my vehicle to be refunded. Please help me understand my policy terms.

I left Portugal and forgot to cancel my car insurance. I called the bank and they said the only valid reasons for a policy refund are selling the vehicle or a disabled vehicle.
I can sell the vehicle here in my new country but I don't want to make a mistake and lose all of the refund.
Does anyone have experience with this process?
Do you see any tricks in my policy terms below?
Is it really as simple as submitting a private party sales receipt from another EU country?
Thanks!
CLÁUSULA 18.a – RESOLUÇÃO DO CONTRATO 1- O contrato pode ser resolvido pelas partes a todo o tempo, havendo justa causa, mediante correio registado. 2- O Segurador não pode invocar a ocorrência de sinistro como causa relevante para o efeito previsto no número anterior. 3- O montante do prémio a devolver ao Tomador do Seguro em caso de cessação antecipada do contrato é calculado proporcionalmente ao período de tempo que decorreria da data da cessação da cobertura até ao vencimento do contrato, salvo convenção em contrário nos termos legais. 4- Sempre que o contrato for resolvido, o Tomador do Seguro devolve ao Segurador o certificado e o dístico comprovativos da existência de seguro, se estes tiverem data de validade posterior à da resolução, no prazo de oito dias a contar do momento em que aquela produziu efeitos. 5- A devolução dos documentos previstos no número anterior funciona como condição suspensiva da devolução do prémio, salvo motivo atendível que impeça a devolução. 6- A resolução do contrato produz os seus efeitos às 24 horas do dia em que seja eficaz. 7- Sempre que o Tomador do Seguro não coincida com o Segurado, o Segurador deve avisar o Segurado da resolução do contrato logo que possível, no máximo até 20 dias após a não renovação ou resolução. 8- A resolução produz efeitos decorridos que sejam 14 dias sobre a data da sua comunicação.
CLÁUSULA 19.a – ALIENAÇÃO DO VEÍCULO 1- O contrato de seguro não se transmite em caso de alienação do veículo, cessando os seus efeitos às 24 horas do próprio dia da alienação, salvo se for utilizado pelo próprio Tomador do Seguro para segurar novo veículo. 2- O Tomador do Seguro avisa o Segurador, por escrito, da alienação do veículo, nas 24 horas seguintes à mesma, devendo juntar o certificado provisório do seguro, o certificado de responsabilidade civil ou o aviso-recibo e o certificado internacional de seguro (“carta verde”). 3- Na falta de cumprimento da obrigação de aviso prevista no número anterior, o Segurador tem direito a uma indemnização de valor igual ao montante do prémio correspondente ao período de tempo que decorre entre o momento da alienação do veículo e o termo da anuidade do seguro em que esta se verifique, sem prejuízo de terem cessado os efeitos do contrato, nos termos do disposto no n.o 1. 4- As partes podem limitar a sanção prevista no número anterior em função do tempo efetivo de duração do incumprimento aí previsto. 5- Na comunicação da alienação do veículo ao Segurador, o Tomador do Seguro pode solicitar a suspensão dos efeitos do contrato, até à substituição do veículo, com prorrogação do prazo de validade da apólice. 6- Não se dando a substituição do veículo dentro de 120 dias contados da data do pedido de suspensão, não há lugar à prorrogação do prazo, pelo que o contrato considera-se resolvido desde a data do início da suspensão, sendo o prémio a devolver pelo Segurador calculado de acordo com o n.o 3 da Cláusula anterio
submitted by whine_and_cheese to portugal [link] [comments]


2019.05.16 00:42 Lemondope Bolsa caindo e... taxas do Tesouro também!

Fiquei surpreso com a queda das taxas do Tesouro. Achei que o estresse no mercado de ações iria refletir nas taxas dos títulos IPCA+ e prefixados, porém não.
As taxas vêm caindo com consistência nos últimos 5 dias, mesmo período em que a bolsa amargou um prejuízo grande.
O título Tesouro IPCA+ com vencimento em 2035 está com a taxa mais baixa de compra (4,25) dos últimos 6 anos.
Em outros períodos de estresse a correlação bolsa x taxas dos títulos foi oposta. Bolsa caindo, taxas subindo, ou bolsa subindo e taxas caindo. Engraçado como agora elas andaram na mesma direção.
Preços dos títulos: http://www.tesouro.fazenda.gov.btesouro-direto-precos-e-taxas-dos-titulos
Gráficos: http://tdireto.com/graficos.php ou http://tdcharts.info/titulos
submitted by Lemondope to investimentos [link] [comments]


2018.12.23 11:05 guerrilheiro_urbano Los riesgos de otra crisis de deuda, diez años después

A dívida mundial alcança níveis recordes, o que situa a economia em uma posição de vulnerabilidade frente a qualquer mudança que venha ocorrer.

Um dos fenômenos mais peculiares do atual ciclo expansivo da dívida é o fato de que, embora poucas vozes soubessem antecipar a maior recessão desde o crash de 1929, agora levamos anos acumulando avisos de novas crises iminentes, que promete ser tão ou mais graves que em 2008. Isso ao menos permite nos ter uma ideia tanto da solidez da recuperação como da afinada capacidade preditiva da ciência econômica. Contudo, e ainda que sigamos sem saber com o que nos depararemos no futuro, surgem alguns motivos para preocupação. Um deles, do que nos ocuparemos nesse texto, tem a ver com a evolução da dívida global.

A dívida cresceu nessa década de maneira generalizada pelo mundo, mas de forma diferenciada. Vejamos: a dívida total não financeira inclui dívida pública, mais além de empresas não financeiras e famílias. Pois bem, no caso das “economias avançadas” (segundo terminologia do FMI), o crescimento do endividamento veio principalmente do setor público. Enquanto, nas economias “emergentes”, proliferou majoritariamente a dívida privada em geral e a empresarial em particular. A grosso modo, esta dinâmica diferente em uns e outros parece obedecer, no caso das economias desenvolvidas ao processo de desendividamento privado depois da bolha de crédito que derivou na crise. Enquanto nas chamadas emergentes e outras em via de desenvolvimento, a afluência de capitais facilitou o crédito privado, ao que se somaram políticas monetárias mais flexíveis a fim de facilitar com dividia a demanda interna diante uma menor demanda exterior.

Isso é basicamente o que ocorreu na economia chinesa a partir de 2008.

Ainda que as contas do país não estejam muito claras, parece evidente que sua dívida privada cresce a um ritmo insustentável. O setor de bancos-sombra segue extenso e fora de controle, enquanto os bancos com menor tamanho mostram uma elevada vulnerabilidade, tudo isso em um contexto de maior incerteza pelas escaramuças comerciais com os Estados Unidos. Assim mesmo, resultam preocupantes os indícios de um crescente apetite pelo risco por parte dos investidores. Porém a China tem ao menos três elementos a seu favor. O primeiro é o grande arsenal de recursos com que o Estado ainda conta para abordar o problema. O segundo é que, embora sua dívida seja muito alta, a China deve a si mesma. Se trata de dívida interna, mas em sua maior parte é de empresas de propriedade estatal com bancos igualmente controlados pelo Estado. E, como terceiro elemento a seu favor está que o país conta com o controle de capitais.

Em todo caso, a China segue tendo um problema e, tomando as cifras do BPI, o auge do seu endividamento representaria mais de duas terceiras partes de todo o incremento de dívida nos países emergentes durante essa última década. Por outro lado, poderiam sim afetar outras economias emergentes e de outros países em desenvolvimento, receptores de empréstimos bilaterais com a China e cujos fluxos poderiam se ver prejudicados.

O problema do pecado original de empréstimos em outras moedas é que, ao depreciar a moeda local frente à divisa forte na qual está expressada a dívida (geralmente em dólar) implica que o valor de renda se reduz enquanto o pagamento da dívida se encarece, aumentando com isso o risco de inadimplência.

Porém os riscos são mais extensos.

Um recente informe de Goldman Sachs estimava que um terço dos mercados emergentes apresenta vulnerabilidades creditícias, seja por riscos ficais, externos ou ambos. Nesse último grupo (9% do total) se encontram, além da Argentina, Bahrein, Mongólia, Tunísia, Líbano, entre outros. Mesmo assim, a combinação de elevados déficits por conta corrente e baixo nível de reservas com respeito à dívida externa a curto prazo afeta também a Ucrânia, Sri Lanka, Omã, Geórgia, Bielorrúsia ou Tunísia.

Na África, o principal risco se encontra nos países subsaarianos. Em 2017, 40% desses apresentava já um alto risco de problemas de dívida. Isso é, inadimplência ou incapacidade para afrontar o pagamento dos juros. Chade, Sudão, Sudão do Sul e Moçambique já se viram nessa situação. Nem essa, nem outras regiões periféricas apresentam ainda volumes de dívida externa, nem custos dessa equiparáveis à crise dos anos 1980, ou tampouco à crise asiática de 1997. Contudo, na África subsaariana a alta das taxas supõe que o gasto em juros represente já mais de 20% da receita fiscal e mais de 10% do gasto público. Uma tendência insustentável e que parece que FMI e Banco Mundial tenham tardado em advertir. O risco tampouco parece iminente em outras economias periféricas, mas o calendário de vencimento de títulos de dívida ameaça a uma tormenta nos anos vindouros. A situação aparece relativamente calma até 2021, mas parece complicar excessivamente a partir disso.

Primeiro na América Latina em 2022 e mais ainda na África em 2024.

O processo de desendividamento posterior foi lento nos melhor dos casos, ou nem foi em alguns outros. Esse último ocorre em países como Canadá ou Austrália, cuja ratio da dívida privada/PIB seguiu um caminho ascendente depois da crise, apenas revertida recentemente no caso australiano. Também Reino Unido parece recuperar a dinâmica de endividamento privado, embora não alcance ainda os níveis prévios da Grande Recessão.

Japão por sua vez vem de um processo de desendividamento já anterior, e que se remonta ao estouro da bolha financeira no início dos anos 1990. A estratégia seguida pela economia nipônica para reduzir sua ratio de dívida privada desde seu pico em 1994 trouxe consigo o estancamento econômico, o maior volume de dívida pública sobre o PIB do planeta e pressões deflacionistas.

Não parece familiar isso?

Atualmente, em um contexto de taxas de juros hiper reduzidas, o entorno econômico é de baixa rentabilidade, o que aumenta as vulnerabilidades e a ascensão de maiores riscos, com um aumento de financiamento em outras moedas e atividades bancárias para outros países. No caso da Zona do Euro, embora a crise tenha levado a um processo de desalavancagem em empresas e famílias, não conseguiu que o nível médio da área se situe abaixo do período anterior à recessão. Isso foi assim fundamentalmente pelo endividamento empresarial que, ao contrário das famílias, segue em média superior aos níveis pré-crise. Ademais, a ratio de serviço da dívida do setor privado não financeiro, e mais concretamente do empresarial em países como Bélgica, França e Holanda está acima dos seus níveis médios a longo prazo, considerando que a taxa de juros de referência do BCE permanece em 0%. Tudo isso poderia complicar a possível alta de taxas previstas a partir do verão europeu de 2019.

Outro problema importante é o setor bancário.

As baixas taxas de juros estreitam suas margens, enquanto os seus balanços não melhoram. Ainda que as reduzindo, a taxa de morosidade dos empréstimos em não poucos países (inclusive Espanha) supera os níveis pré-crise. Segundo dados da Autoridade Bancária Europeia, na Itália, Portugal, Chipre e Grécia esses níveis estão por cima dos 10% (4,5% na Espanha), com 45,3% no caso grego. Os bancos por sua vez mantém em seus balanços elevadas porcentagens da dívida pública na Bélgica, Portugal, Espanha e Itália. E fora da Europa, igual ocorre no Japão. Isso eleva o risco de transmissão entre crises bancárias e da dívida nacional.

No caso italiano, a atenção midiática se centra nestes dias no pulso de seu governo com a Comissão Europeia por conta de seu orçamento, porém mais crítica resulta a quedo de preços dos seus títulos da dívida pública, sendo a economia da zona do euro cujos bancos detenham a maior porcentagem de título da dívida nacional local a respeito do seu total de ativos. Mesmo assim, a dívida empresarial italiana se encarece desde as eleições passadas. Portanto, mais que a Comissão, parece que o prêmio de risco determinará o orçamento italiano.

Um elemento adicional que evidencia as dívidas que suscita a saúde bancária em numerosas economias industrializadas é que na Zona do Euro, Reino Unido, Japão e China o valor de mercado dos bancos é inferior ao anotado nos livros. Isso é, os bancos valem menos do que dizem valer, o que adverte dificuldades para obter recursos que lhes permitam se recapitalizarem.

Uma nova crise de dívida privada não parece tão iminente. No entanto, as vulnerabilidade se acumulam rapidamente, ao tempo que cresce o apetite pelo risco, incentivado também por baixas taxas de juros. Não existem um limiar concreto da dívida que nos permita dizer quando é demasiada, mas um alto nível de endividamento faz as economias muito vulneráveis frente a qualquer mudanças de expectativas e na percepção do risco.

A Grande Recessão não culminou com uma resposta de políticas que atenderam as causas últimas que propiciaram a crise. Pior, inclusive em casos como Estados Unidos eliminaram os tímidos avanços em matéria de regulação e supervisão financeira. Enquanto o processo de superendividamento pareceu ter se resolvido como quem varre a sujeira para baixo do tapete. A dívida mais que reduzida, mudou de lugar.

A atual dinâmica observada nos coloca algumas perguntas importantes. Uma delas seria sobre uma possível dependência da dívida privada. Ou, visto de outro modo, a baixa produtividade da dívida, na medida em que parecia se requerer um nível crescente para financiar um mesmo impulso econômico. Outra segunda, teria a ver com a relação entre dinâmica de endividamento e desigualdade. Mesmo assim, também a vinculação entre a recuperação com a dinâmica de desendividamento. Um processo lento, em paralelo a um aumento da dívida pública, cuja redução passa a priorizar a atenção em matéria de política econômica. Isso colocaria outra questão relativa ao possível risco moral que suporia a socialização de perdas o efeito das recessões por superendividamento privado. Caberia perguntar se não seria melhor priorizar as políticas públicas para gerir um rápido cancelamento de dívidas privadas, no lugar de uma lenta digestão dessas, conjugadas com políticas de austeridade contraproducentes.

FONTE: https://ctxt.es/es/20181205/Politica/23289/deuda-privada-crisis-economia-antonio-sanabria.htm
submitted by guerrilheiro_urbano to BrasildoB [link] [comments]


2018.12.12 10:53 auser24 Um pouco sobre especulação, bolsa de valores, e o mercado financeiro brasileiro, por alguém que atua na área

Trabalho em uma empresa que atua na bolsa de valores e porventura leio nesse subreddit ou ouço em meu ciclo social sobre especulação, alavancagem, taxação de dividendos, etc, muitas vezes comentários com uma ideia completamente errada de como essas coisas funcionam na prática. A fim de elucidar um pouco esses pontos segue uma explicação básica de como funciona, por dentro, o mercado financeiro brasileiro, mais especificamente a especulação e a distribuição de dividendos na bolsa de valores.
Antes de falar de especulação, uma distinção e algumas definições importantes: Antes de juntarem-se na atual B3, as bolsas brasileiras dividiam-se em BMF, Bovespa, e CETIP. Apesar de unidas, na prática são segmentos separados dentro da B3. A CETIP se encarrega de custódia e liquidação - ela guarda patrimônio e converte ele em moeda - enquanto a Bovespa é um mercado de ativos, e a BMF é um mercado de derivativos. A diferença é importante: Na Bovespa são negociadas ativos financeiros (ações) que nada mais são que participações societárias em empresas produtivas, com bens reais como máquinas e produtos, enquanto que na BMF são negociados derivativos - papéis, tais quais contratos futuros e opções. Um ativo é algo que tem valor intrínseco (tq. o percentual de uma empresa), enquanto que o valor de um derivativo, como o nome sugere, apenas deriva daquele de um ativo. Por exemplo, um contrato futuro de 100 sacas de café com vencimento em Janeiro de 2019, comprado hoje a R$800 a saca, se mantido até o vencimento, pode ser convertido fisicamente nas 100 sacas em Janeiro de 2019, independente se a saca custar R$80 ou R$8000 em Janeiro. O contrato em si não tem valor algum caso o preço se mantenha constante, a única coisa de valor real é o café (ativo físico). Caso seu preço suba, o detentor do contrato lucrou, caso desça, ele perdeu. Como você deve estar imaginando, não há caminhões de café trafegando pela B3 - a liquidação da maioria dos contratos futuros é financeira, isto é, se a saca subiu para R$8000 em Janeiro, ao invés de receber as sacas em si a um preço absurdamente baixo (os R$800 que pagou em Dezembro), o comprador meramente recebe a diferença depositada em sua conta.*
Essa é a diferença de suma importância entre ativos e derivativos, Bovespa e BMF: Naquela você adquire capital social - é sócio de uma empresa que produz - e nessa você realiza operações financeiras - transações bancárias entre traders, mediadas pela bolsa. A especulação financeira se dá quase que inteiramente com derivativos, em especial contratos futuros. Existe muita especulação na BMF, isso é fato. Agora, isso é algo ruim? Depende para quem. Para o especulador, obviamente depende da corretude de sua análise e de sua gerência de risco - isto é, o quanto ele se protegeu para eventuais perdas. Ele não é uma caricatura gorda de tophat que apenas ganha, nem um apostador compulsivo que apenas perde. Existe muito CPF (jargão para investidor pessoa física) que entra na bolsa sem estudo, sem proteção, ainda por cima alavancado, especula e joga fora suas economias. Existe ainda investidor institucional sério que adota a estratégia errada e leva fundos de investimento a falência. Myron Scholes, nobel em economia e autor de um dos modelos mais usados no mercado financeiro, perdeu 4.6 bilhões em 4 meses, levando seu fundo de investimentos à falência. Enquanto isso há CPFs disciplinados e com estudo que conseguem na consistência de seus negócios um complemento de renda, bem como fundos de investimento que estão aí há várias décadas e providenciam proteção da inflação com bônus para seus clientes, sejam eles CPFs ou grandes empresas. Em suma, para o especulador que comete erros crassos obviamente sua especulação foi ruim, enquanto que para o que tem um bom modelo e ganha consistentemente sua especulação é boa. Mas isso é problema - ou ganho - deles e dos clientes que optaram por arriscar com eles. Seguimos ao que importa ao resto do mundo, mais especificamente o resto do mercado (que não especula) e o resto da sociedade (que não investe na bolsa).
Para o resto do mercado - que afeta o resto da sociedade - a especulação providencia liquidez, o que é algo bom. Em outras palavras, especuladores negociando o tempo todo significa que a qualquer momento eles podem comprar e vender, pois haverá alguém na outra ponta. O que esses não-especuladores estão fazendo? Hedge, que é algo fundamental à cadeia produtiva. Pense em um industriário que acabou de contrair uma dívida em dólares ao comprar máquinas pra sua fábrica - se o vencimento de sua dívida é daqui 6 meses, e nesse meio tempo o dólar explodir para R$5, ele tem uma grande chance de falir. O que ele faz para se proteger dessa possibilidade? Ele compra contratos futuros de dólar. Caso o dólar de fato chegue a R$5, tudo que ele perdeu na dívida ele ganha no contrato futuro. Fica no azul, zero-a-zero. Se, por outro lado, o dólar cair majestosamente a R$2, tudo que ele perder no contrato futuro ele ganha na dívida. Vale notar aqui que os contratos tem liquidação diária - isto é, se o dólar desvalorizar 2% de hoje para amanhã, isso será descontado da conta do investidor de hoje para amanhã, não apenas no vencimento. O mesmo vale aqui para quem deseja proteger-se de uma safra desastrosa, no caso dos contratos agrícolas. Quanto ao resto da sociedade, a especulação é neutra. Se por um lado ela é essencial para o hedge do investidor do setor produtivo, por outro o especulador está movimentado dinheiro que de outra forma poderia estar sendo investido diretamente em algo produtivo.
Um parêntesis a ser feito aqui é sobre alavancagem. Muito se fala a respeito, mas nada mais é, no caso de CPFs, do que a corretora lhe deixar operar com mais dinheiro do que você tem, dando-lhe uma margem para perdas. Por exemplo, se você tem R$5 mil em conta, qualquer variação no preço do (deriv)ativo negociado não vai lhe proporcionar grandes lucros ou prejuízos. Uma variação de 1%, que é relativamente comum dentro de um dia, vai lhe proporcionar meros 50 reais, sobre os quais irão incidir diversas taxas e impostos. Se ao menos você tivesse R$50 mil, tal que esses 1% lhe dessem 500 reais... A corretora tem a solução: ela tem esse dinheiro, e conquanto que você não perca os R$5 mil que de fato tem em conta, ela te banca para operar R$50 mil. Variou 10% ela te tira da operação automaticamente e você acaba de perder R$5 mil. Daí nasce a alavancagem. Aqui vale o parêntesis de que a bolsa tem garantias de volatilidade - no dólar, p.e., a variação máxima dentro do dia é 6% (há vários mecanismos para não chegar nesse patamar em primeiro lugar) acima disso a negociação simplesmente é encerrada. Dito isso, a alavancagem é algo ruim? Aqui cabe a mesma análise da especulação: para quem opera alavancado, depende. Tanto o retorno como o risco são maiores - é um trade-off. Para o resto é neutro, e para a corretora é bom pois ela ganha sobre o volume financeiro.
Agora que realizamos a distinção entre os mercados da BMF e Bovespa podemos falar de dividendos. Dividendos são pagos sobre ações, ou seja, especuladores não ganham dividendos (até mesmo quem especula com ações faz day ou swing trade, isto é, vende no mesmo dia ou na mesma semana, não segurando por tempo o suficiente para recebê-los; esses são pagos algumas vezes ao ano, apenas). Dividendos não são, nem de longe, a principal fonte de lucro dos investidores. Repito: dividendos não é a fonte de renda de grandes investidores. A Apple, a maior empresa do mundo e uma das que mais providenciou lucro aos seus acionistas na história, de 1988 a 2012 jamais havia pago um centavo de dividendos. Enquanto isso, a cotação de suas ações subiu mais de 32000% no período (a inflação nos EUA ficou abaixo de 5% a.a. todo esse tempo). Todo o lucro que os acionistas da Apple receberam veio do crescimento da empresa - do re-investimento dos seus lucros em mais produção, consequente criação de riqueza e lucros ainda maiores. Lucros refletem na cotação (ações são ativos financeiros, possuem valor intrínseco), que significa mais dinheiro para os detentores das ações. Mas e as empresas que pagam dividendos? O maior dividend yield da bolsa brasileira em 2018 foi 10,3%, da Copel. Enquanto isso, o IBOV (índice que reflete as maiores, mas não necessariamente as melhores, empresas da bolsa) está fechando o ano em 18%, e ação que mais rendeu em 2018 - Unipar (UNIP4) - vem fechando o ano em 167%, seguida de LOGN3 em 157%, IRBR3 em 132%, CRPG5 em 125%, BIDI4 em 113%, e ELPL3 e MGLU3 em 105%.** Os maiores ganhos com dividendos estão uma ordem de magnitude abaixo dos maiores ganhos com a valorização das ações em si - isto é, reflexo do crescimento das empresas.
Para encerrar, uma pergunta que pode ter ficado na cabeça de alguns é: Após angariar recursos durante o IPO para investir no setor produtivo, o que as empresas - i.e. o setor produtivo da economia - ganha com toda essa negociação de ações? Por que ela paga R$39 mil + 0,005% do seu capital social todo ano para ser listada na bolsa (pense em capital social bilionário)? A resposta é simples: justamente por causa do IPO (e de ofertas secundárias, em que a empresa recompra ou vende mais do seu capital social mais tarde). Perceba que o preço da ação no IPO - e consequentemente o capital angariado para investimento - jamais seria perto do que é se não houvesse a possibilidade de negociação e lucro nesse mercado secundário. Como explicado, os proventos pagos pelas empresas não são a maior fonte de lucro - a cotação é! É precisamente por causa da possibilidade de lucrar com essa que investidores estão dispostos a participar em massa de um IPO em primeiro lugar, e é precisamente por causa dessa quantidade enorme de gente disposta a pagar para ser sócia de uma empresa que essas listam-se na bolsa (além do reconhecimento e confiança que ganham com isso). O Brasil tem um histórico pífio de empresas abrindo o capital, essa prática é muito mais comum nos EUA, onde o mercado secundário é, não coincidentemente, muito mais líquido (cerca de 61% dos adultos com mais de 32 anos tem ações nos EUA, enquanto que no Brasil o número não chega a 0,3% da população total - há mais presos do que investidores, no Brasil). A raison d'être do mercado secundário é o primário, e a do primário o secundário. Poético, não?
* Café é um dos poucos contratos futuros com liquidação física, i.e. você pode ir para SP retirar as sacas de café. Outro é o ouro a vista (OZ1, OZ2, e OZ3), em que você pode ou ir para SP retirar os lingotes ou pode optar pela liquidação financeira, em que a bolsa simplesmente deposita em sua conta o valor. Para mais detalhes sobre derivativos, como a diferença dos mercados futuros e a termo, vide este artigo. Para o básico do básico do mercado de opções, vide este.
** Exclui penny stocks como INEP3 e REDE3 e as com baixa ou nenhuma liquidez como CELP6 e ECPR3.
submitted by auser24 to brasil [link] [comments]


2018.11.28 10:48 novato2018 Dúvida Tesouro Direto IPCA

Dei sorte e comprei TD IPCA há pouco menos de 2 meses. Nesse período houve uma valorização de 8,81%. Meu objetivo no início era levar esses títulos até o vencimento e ir comprando mais no caminho. Para isso, essa volatilidade não faz diferença alguma, certo?
Outra dúvida: existe alguma coisa melhor que eu poderia fazer com o dinheiro de uma hipotética venda desses títulos que valorizaram bastante?
Edit para corrigir a valorização (a do post original, +70%, é a anualizada).
submitted by novato2018 to investimentos [link] [comments]


2018.11.12 23:00 jacksonof5 Investir no índice para além de um mês: ETF é a melhor opção para aplicação pequena?

Gostaria de investir no futuro do Ibovespa mas não quero os contratos com vencimento de um mês - estou pensando em algo para manter nos próximos anos, pois creio firmemente na valorização no período. Não pretendo nem posso investir quantia suficiente para comprar os papéis que compõem a carteira, o que me leva a crer que um ETF (BOVA11 p.e.) seria a melhor opção. Estou correto em minha asserção, ou haveria opção melhor, como algum fundo privado? Minha intenção é diversificar um pouco minha carteira atualmente 100% RF, com cerca de 10-20% em RV, e minhas preocupações são a solidez do investimento (não que vá dar o retorno esperado, mas que meu dinheiro não vai desaparecer nas mãos de um gestor shady), a possibilidade de resgate dentro de alguns anos, e a minimização dos impostos a pagar.
submitted by jacksonof5 to investimentos [link] [comments]


2018.10.16 13:54 naoaguentomais Sobre o erro de votar no Dória

Acho que vocês já decidiram em quem votar pra presidente e provavelmente ninguém vai mudar sua decisão, mas talvez ainda não tenham decidido seu governador (caso seja de São Paulo), então vim aqui deixar essa lista de algumas atitudes questionáveis de Dória em seu mandato como prefeito.
Em um ano de gestão, Doria:
• Instalou telas para esconder moradores de rua em grande avenida da cidade. Alegou que não e foi desmentido pelos próprios funcionários da prefeitura.
Fonte: http://sao-paulo.estadao.com.bnoticias/geral,tela-oculta-moradores-de-rua-sob-viaduto-em-sao-paulo,10000098451
• Declarou guerra contra a arte de rua e pintou painéis urbanos de cinza. Meses depois, disse que avaliou mal a questão e inaugurou painéis pela cidade.
Fonte: https://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/doria-diz-que-avaliou-mal-a-questao-dos-grafites-da-avenida-23-de-maio.ghtml
• Visando o populismo, o prefeito se fantasiou de gari para iniciar o programa cidade Cidade Linda, que buscava ampliar os serviços de limpeza e zeladoria na cidade. Até dezembro, todos os índices de zeladoria apresentaram resultados piores que no ano anterior.
Fonte: https://oglobo.globo.com/brasil/doria-se-veste-de-gari-para-lancar-programa-de-limpeza-mas-nao-varre-rua-20719183
Fonte: http://sao-paulo.estadao.com.bnoticias/geral,sob-doria-servicos-de-manutencao-de-ruas-e-calcadas-em-sp-tem-queda,70002026367
• Resolveu mudar o nome do Bom Retiro para “Little Seul”. Após críticas, alegou que o nome não seria mudado oficialmente.
Fonte: https://exame.abril.com.bbrasil/doria-quer-renomear-bom-retiro-para-little-seul/
• Desmantelou a Virada Cultural em 5 palcos em bairros diferentes. Ao descaracterizar e descentralizar o evento, que tinha a ideia de fazer as pessoas transitarem pelo centro de São Paulo ao se locomoverem entre as atrações, o evento registrou seu menor público desde a criação, em 2005.
Fonte: http://www1.folha.uol.com.bilustrada/2017/05/1886201-programacao-descentralizada-aposta-de-doria-esvazia-a-virada-cultural.shtml
• Em seu ato mais desastroso, visando acabar com a Cracolândia, João Dória promoveu uma ação de guerra contra civis. Com total desrespeito à dignidade e a existência humana, o prefeito usou de violência, demolição de um abrigo com pessoas dentro e pediu ao MP a internação compulsória de usuário de drogas. A ação espalhou os usuários de crack pela cidade e iniciou diversas “minicracolândias”.
Fonte: http://www1.folha.uol.com.bcotidiano/2017/05/1886039-apos-acao-policial-secretario-de-doria-diz-que-nao-vai-mais-ter-cracolandia.shtml
Fonte: https://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/cracolandia-se-expandiu-da-luz-para-mais-7-bairros-de-sp-e-pode-aumentar-diz-mp.ghtml
• Semanas depois, João Dória anuncia o lançamento do projeto “Nova Luz”, que visa a demolição da arquitetura histórica de parte do centro para renovação e construção de modernos edifícios aos moldes da Berrini. O que justificaria a barbárie na Cracolândia.
Fonte: http://www1.folha.uol.com.bcotidiano/2017/05/1886253-alckmin-adota-discurso-dissonante-de-doria-apos-acao-na-cracolandia.shtml
• O prefeito mandou aplicar jatos d’água em moradores de rua. Ao ser questionado, o prefeito alegou “foi um descuido”.
Fonte: http://www1.folha.uol.com.bcotidiano/2017/07/1902707-com-frio-recorde-moradores-de-rua-reclamam-de-jato-de-agua-sob-doria.shtml
• Tentou distribuir farinata ou “ração humana”, para a população carente. Ao ser duramente criticado pela adoção do “alimento”, João Dória alegou “o pobre tem fome, o pobre não tem hábito alimentar”. Ao ver a medida se transformar em publicidade negativa, o prefeito voltou atrás com o projeto.
Fonte: https://oglobo.globo.com/brasil/um-mes-apos-defender-farinata-doria-desiste-de-programa-culpa-polemica-22074618
• Durante grande parte do ano, viajou a outros estados para receber premiações em um esforço de pré-campanha presidencial. Ao ser criticado, alegou que consegue administrar a cidade pelo celular. Ao ver sua popularidade e aprovação despencaram pela população e pelo partido, João Dória voltou atrás.
Fonte: http://www.gazetadopovo.com.bpolitica/republica/mp-investigara-viagens-de-doria-durante-expediente-na-prefeitura-de-sao-paulo-cb3m6vnwb70486wsifq5nreg8
• Para mascarar números da gestão, a gestão Dória age para dificultar acesso a dados e viola Lei de Acesso à Informação. Secretário da Comunicação disse em gravação que vai “botar pra dificultar” pedidos de jornalistas.
Fonte: http://sao-paulo.estadao.com.bnoticias/geral,gestao-doria-dificulta-acesso-a-dados-e-viola-lei-de-acesso-a-informacao,70002075921
• Com suas “doações”, a gestão Dória concedeu diversos “favores” aos doadores. Operou livremente a mão invisível do mercado. Um exemplo disso foram as doações de remédio próximos a validade, onde as empresas se livraram dos custos de descarte e ganharam R$66 milhões em isenções fiscais.
Fonte: http://cbn.globoradio.globo.com/editorias/pais/2017/11/24/GESTAO-DORIA-DESCARTA-ATE-35-DE-REMEDIO-DOADO-NO-MES-DO-VENCIMENTO.htm
• Publicou um “showreel” da cidade e anunciou o maior programa de privatizações de São Paulo. O prefeito quer realizar 55 privatizações e PPPs leiloando São Paulo à iniciativa privada.
Fonte: http://www1.folha.uol.com.bcotidiano/2017/09/1920739-camara-da-aval-a-doria-para-conceder-parques-bilhete-unico-e-mercadao.shtml
• Contrariando tendências mundiais, lançou o programa Marginal Segura que aumenta a velocidade máxima nas marginais Tietê e Pinheiro. O prefeito dificultou o acesso às informações públicas e não é possível obter informações concretas sobre o número de acidentes, mas foram registradas 20 mortes no período.
Fonte: http://www1.folha.uol.com.bcotidiano/2017/05/1881765-marginais-sob-doria-tem-acidentes-em-alta-e-ambulante-fixo-nas-vias.shtml
• Sem construir um único quilômetro de ciclovia, João Dória burocratizou o processo de ampliação da malha cicloviária. E em alguns pontos, removeu a ciclovia em prol de comerciantes que alegavam perder vagas de estacionamento em seus negócios. Só em 2017, foram 32 ciclistas mortos em São Paulo.
Fonte: https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/mortes-de-ciclistas-crescem-55-em-sao-paulo-em-2017.ghtml
• Quer transformar as crianças da rede pública em mídia alternativa, colocando propaganda nos uniformes escolares. Após polêmica, anunciou que irá vetar a lei.
Fonte: https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/camara-de-sp-libera-propaganda-em-uniforme-escolar-para-incentivar-doacoes.ghtml
• Cortou a verba da saúde e com isso, paralisou as obras nos hospitais Brasilândia e Parelheiros, que atenderam parte da demanda das periferias norte e sul da cidade.
Fonte: https://www.revistaforum.com.bdoria-interrompe-obras-de-hospitais-na-vila-brasilandia-e-em-parelheiros/
• Cortou o transporte escolar e disse aos pais para mudarem filhos de escola.
Fonte: http://www.agora.uol.com.bsaopaulo/2017/11/1934686-doria-quer-mudar-alunos-de-escola-e-cortar-transporte.shtml
• Em uma posição autoritária, João Dória demitiu ou afastou diversos funcionários que fizeram declarações contrárias a suas decisões.
Fonte: https://oglobo.globo.com/brasil/doria-demite-subprefeito-ameaca-auxiliares-que-criticam-gestao-nao-reclame-trabalhe-22074671

AceleraSP

[EDIT] Como a lista da barbárie e tanta eu vou editando aqui com informações que for lembrando ou o pessoal comentar.
• Proibiu as crianças da rede pública de repetir as refeições, marcando a mão de quem já comeu com um carimbo.
Fonte: http://www1.folha.uol.com.bcotidiano/2017/08/1911319-escola-municipal-marca-aluno-para-nao-repetir-merenda.shtml
• Ofereceu para a iniciativa privada a gestão de informação sobre o Bilhete Único, facilitando o monitoramento do direito de ir e vir do cidadão.
Fonte: https://oglobo.globo.com/brasil/doria-oferece-dados-de-usuarios-do-bilhete-unico-iniciativa-privada-20942133
• Deixou cães e gatos sem comida no Centro de Controle de Zoonoses, por problemas de licitação.
Fonte: http://olharanimal.org/atraso-em-licitacao-deixou-gatos-sem-comida-no-centro-de-controle-de-zoonoses-de-sp/
• Cortou em mais da metade a verba do "Leve Leite", e com os ajustes deixou de fora do programa 690 mil crianças e adolescentes.
Fonte: https://noticias.r7.com/sao-paulo/pais-sofrem-com-corte-de-leite-e-transporte-escolar-no-inicio-da-gestao-doria-20022017
[EDIT 2]
Esse post era um resumo dos desastres do primeiro ano de gestão, mas como voltou a tona agora, vale acrescentar mais alguns tópicos:
• Pretender reduzir o número de ônibus e linhas. A cidade pela primeira vez na história teve um recuo no número de pessoas transportadas em modais públicos e com isso, o João Trabalhador que manter o pobre na periferia ou levando ainda mais tempo para ir e voltar ao trabalho.
Fonte: http://sao-paulo.estadao.com.bnoticias/geral,doria-propoe-corte-de-mil-onibus-da-frota-de-sp-e-mais-integracoes,70002127725
• Doria, está sendo processado pelo MP pelo uso indevido da marca própria do CIDADE LINDA em veículos públicos para propaganda pessoas.
Fonte: http://sao-paulo.estadao.com.bnoticias/geral,mp-acusa-doria-de-obter-vantagem-indevida-com-propaganda-do-cidade-linda,70002173711
• Rebaixou a CGM - Controladoria Geral do Município, órgão contra a corrupção que descobriu a mafia do ISS, a uma secretaria. Além de demitir a Controladora Laura Mendes Armando de Barros duas semanas após abrir uma investigação da mafia da Cidade Limpa.
Fonte: http://sao-paulo.estadao.com.bnoticias/geral,doria-rebaixa-orgao-de-combate-a-corrupcao,10000090462
• Aumentou exponencialmente o investimento em propaganda, enquanto cortou orçamento de diversas secretarias importantes.
Fonte: https://veja.abril.com.bbrasil/doria-preve-gasto-de-ate-r-100-mi-por-ano-com-publicidade/
• João Doria anunciou o fim da rede de atendimento ambulatorial, as AMAs. E irá encerrar as atividades de 108 ambulatórios que prestam atendimento a população de baixa renda.
Fonte: http://www.destakjornal.com.bcidades/sao-paulo/detalhe/prefeitura-ira-fechar-108-amas
• João Doria orientou AMBEV para inflacionar a proposta para vencer concorrência pelo carnaval. Oferecendo informações sigilosas a iniciativa privada.
Fonte: http://m.cbn.globoradio.globo.com/editorias/politica/2017/06/12/GESTAO-DORIA-ORIENTOU-AMBEV-A-INFLAR-PROPOSTA-PARA-VENCER-CONCORRENCIA-POR-CARNAVAL.htm
[EDIT 3]
Em tempos onde as pessoas aprenderam graças a veículos como o MBL a bradar “fake news” para qualquer coisa contrária a sua opinião, adicionei um link de fonte para cada um dos tópicos citados aqui. Noam Chomsky diz que as pessoas são tão cegas que já não acreditam nos fatos, afirmação que se faz verdade ao ver o ódio generalizado nos comentários.
Por final, deixo aqui o último tópico que pretendo acrescentar a essa lista (que não teria fim, afinal, novos fatos vão surgindo a todo momento).
• João Agripino Dória, que se vendeu como a nova política e se posicionou como um gestão e não político, se lançou como pré-candidato ao governo de São Paulo e irá abandonar a prefeitura nas mãos de Bruno Covas.
Fonte: https://noticias.uol.com.bultimas-noticias/agencia-estado/2018/03/13/apos-prometer-cumprir-mandato-doria-oficializa-intencao-de-concorrer-ao-governo.htm
*Essa lista não foi feita por mim, foi postada no Facebook por Matheus Cardoso
submitted by naoaguentomais to brasil [link] [comments]


2018.07.06 18:43 RejBonaPT Professores, salários e mentiras.

Nota prévia: este post não tem como objectivo reivindicar, reclamar, protestar ou exigir seja lá o que for; serve apenas para esclarecer alguns dados que têm sido usados / citados por aqui, e que no mínimo pecam por estarem incompletos.
Citação: (https://www.jornaldenegocios.pt/economia/educacao/detalhe/salario_medio_dos_professores_portugueses_proximo_dos_valores_minimos)
Em Portugal, ao contrário do que acontece na maioria da Europa, ser educador de infância, professor do ensino básico ou do secundário não tem qualquer influência no rendimento: o salário médio anual é entre 21.960 e 42.377 euros por ano.
Falta aqui acrescentar que são valores antes de impostos e descontos, e não valores líquidos. Um professor não recebe aqueles valores. Deixo abaixo três recibos de vencimento deste ano; o primeiro é do professor Paulo Guinote, em fase final (?) de carreira, que partilha os seus recibos, e mais dois, de professores com 27 e 30 anos de serviço, e mais de 50 anos de idade. Vou fazer contas com o salário de 1351,13 euros líquidos / mês:
Fazendo 1.351,13 * 14 (contando com dois salários relativos a subsídio de férias e de Natal), o resultado é 18.915,82; este resultado peca no entanto por excesso, pois os dois salários/subsídios não incluem subsídio de refeição (-100,17 * 2) e no período de férias o professor não recebe subsídio de refeição (-100,72).
Assim, o resultado correcto seria 18.615,31 euros por ano, para um professor com 30 anos de carreira.
Já agora, à data do artigo (6 de Outubro de 2016) os valores líquidos eram ainda inferiores, dadas as «contribuições extraordinárias».
>>> VER RECIBOS <<<
Só para terminar, e fazendo contas ao salário ilíquido mais elevado, 2.159,73 * 14 = 30.236,22; isto, para um professor já em fase final de carreira, e que pouco mais (ou nada) vai progredir; mesmo com os valores brutos, não se atingem números como 42.000 euros / ano.
Obrigado pela vossa atenção, e bom fim de semana.
submitted by RejBonaPT to portugal [link] [comments]


2018.03.13 15:41 CaPeBaLo Cartão de crédito - O que? Por que? Quando? Como? Onde?

Galera, eu queria umas dicas e explicações sobre o cartão de crédito. Tenho cartão já há quase 10 anos, e de lá pra cá só usei o crédito uma vez - sem querer, o cara deve ter clicado em "crédito" ao invés de "débito" na maquininha e eu não reparei, só fui descobrir quando chegou uma fatura vencida uns dois meses depois pelo correio. Desde então, resolvi bloquear a função crédito no cartão.
Entendo, no grosso, a diferença entre crédito e débito - no débito o dinheiro sai da tua conta na hora e você só gasta o que tem, no crédito você compra naquela hora mas o dinheiro só sai da sua conta depois de um tempo, então pode gastar mais do que tem (dentro do limite definido pelo banco). Ainda, no crédito dá para ganhar milhas e outros pontos.
Por isso, aí vão algumas dúvidas àqueles que entenderem do assunto e estiverem dispostos a ajudar (não precisa, necessariamente, responder tudo, só o que soubequiser):
Quaisquer outras considerações serão muito bem-vindas.
Obrigado.
submitted by CaPeBaLo to brasil [link] [comments]


Como criar Planilhas com Prazos e Vencimentos no Excel ... Excel - Calcular fechas de vencimiento y crear avisos ... Software de Recursos Humanos - Realizar o processamento ... Excel Avançado - Soma Data somente Mês - YouTube Alerta de fechas de vencimiento automáticas en Excel - YouTube PRORROGAÇÃO DO VENCIMENTO DO DAS - DOCUMENTO DE ARRECADAÇÃO DO SIMPLES NACIONAL PRORROGAÇÃO 2020. PROVA RESOLVIDA DE MATEMÁTICA - SARGENTO DA PMSP APLICADA EM 21.10.2018 Excel - Somar ou Contar Valores em Intervalos de Datas ... Periodo de Oscilación de un Péndulo - Ejercicio Resuelto ...

  1. Como criar Planilhas com Prazos e Vencimentos no Excel ...
  2. Excel - Calcular fechas de vencimiento y crear avisos ...
  3. Software de Recursos Humanos - Realizar o processamento ...
  4. Excel Avançado - Soma Data somente Mês - YouTube
  5. Alerta de fechas de vencimiento automáticas en Excel - YouTube
  6. PRORROGAÇÃO DO VENCIMENTO DO DAS - DOCUMENTO DE ARRECADAÇÃO DO SIMPLES NACIONAL PRORROGAÇÃO 2020.
  7. PROVA RESOLVIDA DE MATEMÁTICA - SARGENTO DA PMSP APLICADA EM 21.10.2018
  8. Excel - Somar ou Contar Valores em Intervalos de Datas ...
  9. Periodo de Oscilación de un Péndulo - Ejercicio Resuelto ...

Sabe-se que o valor emprestado mais os juros devidos foram integralmente pagos na data de vencimento desse empréstimo. Se o valor total pago na data de vencimento foi igual a R$ 9.350,00, então ... Período de Apuração (PA) Vencimento Original Vencimento Prorrogado 03/2020 20/04/2020 Tributos Federais 20/10/2020 ICMS/ISS 20/07/2020 04/2020 20/05/2020 Tributos Federais 20/11/2020 Descarga el Archivo. https://s3-us-west-1.amazonaws.com/a2capacitacion.com/Archivos/Youtube/Alerta+de+Vencimiento+-+copia.xlsx Conoce nuestro curso de Excel ... Determina el periodo de oscilación de un péndulo de 23.3 ft de largo. SUSCRÍBETE, ES GRATIS https://www.youtube.com/user/Enciclotareas No olvides compartir y... Fazendo soma com data e selecionar somente por mês =soma + se =mês En este tutorial te mostramos cómo calcular fechas de vencimiento o expiración y cómo crear un aviso o alerta para marcar las facturas vencidas. Más infor en... Funções SOMASES e CONT.SES no Excel a partir de critérios ou correspondências, utilizando maior e menor. Somases com intervalo de datas. Link para download d... Veja como fazer o processamento de salários com o software CentralGest. Como criar Planilhas com Prazos e Vencimentos no Excel? Vamos aprender EXCEL do ZERO passo a passo, te convido a conhecer meu curso em: http://www.cursodeexc...